06:54 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente francês Emmanuel Macron durante reunião com o presidente russo, Vladimir Putin, em 19 de agosto de 2019.

    Após violência, Macron 'declara guerra' ao 'separatismo' islâmico na França

    © Sputnik / Sergey Guneev
    Europa
    URL curta
    1155
    Nos siga no

    O presidente Emmanuel Macron pediu nesta segunda-feira à comunidade muçulmana da França que intensifique a luta contra o "separatismo", ao endurecer sua retórica contra o radicalismo islâmico após um ataque mortal no país.

    Macron, um centrista cujo principal rival político em casa é a líder de extrema-direita Marine Le Pen, tentou mostrar que ele está seriamente reprimindo o radicalismo islâmico na França após o ataque de 3 de outubro, perpetrado por um convertido muçulmano na sede da polícia de Paris que deixou quatro pessoas mortas.

    Em uma entrevista pré-gravada com a transmissão de rádio RTL nesta segunda-feira, Macron garantiu que planeja lutar, ao lado de líderes muçulmanos, contra o sectarismo religioso e a resistência entre alguns muçulmanos franceses para se integrar.

    "É fato que uma forma de separatismo se enraizou em alguns lugares da nossa república, ou seja, um desejo de não vivermos juntos e de não estarmos na república", afirmou. "É em nome de uma religião, o Islã", acrescentou.

    Horas após os comentários de Macron, um octogenário atirou e feriu gravemente outros dois homens, de 74 e 78 anos, que o surpreenderam enquanto tentava atear fogo na porta de uma mesquita em Bayonne, no sudoeste da França. O homem foi preso mais tarde perto de sua casa.

    Após o incidente, o ministro do Interior, Christophe Castaner, ofereceu sua "solidariedade e apoio à comunidade muçulmana".

    Engajamento islâmico

    Macron recebeu nesta segunda-feira representantes do Conselho Francês da Fé Muçulmana (CFCM) para pressionar por esforços conjuntos entre o governo e os muçulmanos para reprimir o radicalismo.

    Sala de shows Bataclan, Paris
    © AFP 2019 / FRANCOIS GUILLOT
    Sala de shows Bataclan, Paris

    Castaner, que participou da reunião, pontuou que Macron exortou os líderes do CFCM a "lutar ao lado do Estado" contra o sectarismo e o islamismo. O presidente disse que queria ver uma "mudança de ritmo" do conselho, para travar uma luta genuína contra o radicalismo.

    O vice-presidente da CFCM, Anouar Kbibech, que esteve presente nas negociações do Élysée, afirmou que o conselho fará agora "anúncios muito fortes" sobre a luta contra o radicalismo em uma reunião extraordinária convocada para terça-feira.

    Nos últimos anos, tem havido um debate na França sobre o papel do Islã em uma república construída com base em valores seculares, onde os muçulmanos agora representam cerca de 10% da população.

    A controvérsia se intensificou após uma série de ataques mortais realizados por militantes islâmicos em 2015, incluindo os massacres na revista satírica Charlie Hebdo e na casa de shows Bataclan.

    Os assassinatos de 3 de outubro por Mickael Harpon, um especialista em informática de 45 anos que se converteu ao Islã há uma década e adotou crenças cada vez mais radicais, novamente expuseram as tensões.

    Ansioso por não ser surpreendido pelo partido de Le Pen, Macron fez um discurso difícil após os assassinatos, no qual prometeu "uma luta incansável diante do terrorismo islâmico". Ele convocou toda a França a construir "uma sociedade em estado de vigilância", a fim de superar o que ele chamou de "hidra islâmica".

    Mais:

    Macron quer cautela na busca por responsáveis por ataques contra petrolíferas sauditas
    Macron e Merkel pedem que Erdogan suspenda ofensiva contra curdos na Síria
    Presidente francês Macron critica reação da OTAN à ofensiva turca no norte da Síria
    Tags:
    atentado, violência, islâmicos, muçulmanos, terrorismo, Massacre do Charlie Hebdo, Charlie Hebdo, Bataclan, Paris, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar