14:15 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Vale dos Caídos, mausoléu onde estão os restos mortais de Francisco Franco, nas cercanias de Madri

    Justiça espanhola autoriza governo a exumar restos mortais de Franco

    © REUTERS / Susana Vera
    Europa
    URL curta
    202
    Nos siga no

    O Tribunal Supremo da Espanha decidiu nesta terça-feira (24) que o governo interino pode exumar os restos mortais do ditador Francisco Franco do Vale dos Caídos, mausoléu nas cercanias de Madri.

    O destino do corpo do general é motivo de disputa há muitos anos no país. O atual chefe de governo, Pedro Sánchez, vem brigando para retirar os restos mortais da Abadia da Santa Cruz do Vale. Para os socialistas, é errado que o túmulo de um ditador acusado de crimes seja uma atração turística. Por outro lado, a família de Franco e saudosistas do regime defendem sua permanência no mausoléu.

    Os seis juízes da corte rechaçaram recurso apresentado pelos familiares do general contra a exumação. O governo pretende levar os restos mortais de Franco para um cemitério discreto próximo de Madri, onde repousa a viúva do ditador. Franco esteve no poder de 1939, após vencer a Guerra Civil Espanhola, até sua morte, em 1975.

    Partidos de esquerda e familiares de vítimas do conflito defendem a retirada do corpo do general. O mausoléu costuma reveber a visita de turistas e entusiastas de Franco.

    Além disso, alguns afirmam que a medida poderia abrir feridas da guerra entre republicanos e nacionalistas apoiados pelo general, que se estendeu de 1936 a 1939. Cerca de 34 mil vítimas do conflito, de ambos os lados em disputa, estão enterradas no mausoléu, a maioria sem identificação.

    Decisão vem no mesmo dia que parlamento é dissolvido

    Franco tomou a iniciativa de levar os restos mortais do caídos para o local, sob o pretexto de unificar o país. Os familiares das vítimas, no entanto, dizem que não autorizaram o gesto.

    Os familiares do ex-líder esperavam ao menos poder levar os restos mortais para a catedral de Almudena, no centro de Madri, ideia que o governo rejeita.

    A decisão ocorre no mesmo dia em que o parlamento foi dissolvido e foram convocadas eleições gerais para 10 de novembro. A oposição acusa o Partido Socialista de utilizar a exumação como palanque político.

    O resultado da corte não pode ser apelado, mas os advogados da família de Franco disseram que vão entrar com recurso no Tribunal Constitucional da Espanha e no Tribunal Europeu de Direitos Humanos.

    Pelo Twitter, Pedro Sánchez disse que a decisão era uma vitória para a democracia espanhola. "A determinação de reparar o sofrimento das vítimas do franquismo guiou sempre a ação do governo", afirmou.

    Em Portugal, caso parecido gera polêmica

    No vizinho Portugal, um caso parecido vem gerando polêmica:  A construção de um museu em Santa Comba Dão, na região central do país. A cidade é a terra natal de António de Oliveira Salazar e há protestos contra a obra, que está sendo considerada um museu sobre o ditador.

    Mais:

    Socialistas assumem o poder na Espanha após derrubada do premiê Mariano Rajoy
    Onda da direita chegou à Espanha: partido 'herdeiro de Franco' ganha espaço na Andaluzia
    Jornal espanhol deixa remorso de lado e elogia Divisão Azul que lutou por Hitler
    Tags:
    exumação, guerra civil, ditadura, socialistas, Portugal, Espanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar