16:25 18 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Manifestantes contra o Brexit ao lado do prédio do Parlamento em Londres

    Após derrota no parlamento, Boris Johnson defende eleições em 15 de outubro

    © Sputnik / Justin Griffiths-Williams
    Europa
    URL curta
    331
    Nos siga no

    Após derrota no parlamento, que aprovou por 327 a 299 medida impedindo separação do Reino Unido da União Europeia sem acordo, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, propôs novas eleições no dia 15 de outubro.

    Além disso, o premiê afirmou que a proposta iria obrigar o governo britânico a se render nas negociações com o bloco europeu. Aprovada em votação de dois turnos na Câmara dos Comuns, a medida será enviada agora para a Câmara dos Lordes. A realização do pleito no dia 15 também deve ser aprovada pelos congressistas. 

    As últimas semanas foram de grande incerteza no país, naquela que é considerada a maior crise vivida no Reino Unido desde o fim da Segunda Guerra.

    Desde que assumiu o poder, Johnson deixou claro que não admitiria negociar uma prorrogação da saída britânica do bloco europeu, prevista para acontecer 31 de outubro. Para ele, o Brexit deve acontecer mesmo sem acordo.

    O pacto ratificado pelos governos do Reino Unido e a UE não foi aprovado pelos legisladores britânicos durante a gestão da ex-primeira-ministra Theresa May.

    Brexit 'custe o que custar'

    A previsão agora é de que a medida impedindo uma saída sem acordo do bloco seja ratificada como lei até o final da semana. No entanto, membros da Câmara dos Lordes que são favoráveis ao Brexit podem tentar barrar o projeto.

    Enquanto o governo defende uma saída do bloco no estilo custe o que custar, muitos parlamentares, mesmo do Partido Conservador, temem que a falta de acordo mergulhe o país no caos econômico e social.

    Ao pedir a realização de eleições antecipadas, a intenção de Boris Johnson é conquistar maioria no parlamento e contar com legisladores mais favoráveis ao Brexit. Segundo pesquisas, os conservadores venceriam a disputa contra o Partido Trabalhista, liderado por Jeremy Corbyn.

    No entanto, analistas afirmam que devido ao atual cenário de incerteza e mudanças no Reino Unido esse cenário poderia mudar.

    Premiê suspendeu parlamento

    Segundo a proposta, o governo britânico deverá pedir a EU para adiar o Brexit até 31 de janeiro de 2020 caso não consiga assegurar um pacto com o bloco até o fim de outubro.

    A corrida de Westminster, que voltou no dia 3 de setembro de um recesso, para bloquear um divórcio sem acordo começou quando Boris Johnson anunciou que iria suspender as atividades do parlamento de algum dia da semana que vem até o dia 14 de outubro, somando quase um mês de paralisação, o que dificultaria muito qualquer discussão sobre o Brexit.

    A medida, considerada autoritária e sem precedentes por muitos, foi vista como uma manobra para impedir os parlamentares de votarem uma proposta bloqueando o divórcio com a UE.

    Mais:

    França se diz pronta para um 'Brexit sem acordo', mas fará de tudo para evitá-lo
    Rússia gostaria de assinar novo acordo comercial com Londres após Brexit
    Assessor de Boris Johnson: Parlamento não pode barrar Brexit sem acordo
    Novo primeiro-ministro britânico pede renegociação do Brexit
    Brexit vai ser bom para o Reino Unido, diz Trump
    Tags:
    Partido Trabalhista, Partido Conservador, referendo, União Europeia, Westminster, Boris Johnson, Reino Unido, Brexit
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar