13:37 06 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Equipe de resgate vista no local do acidente do avião do voo MH17, na Ucrânia (foto de arquivo)

    Manipulação do caso MH17? Rússia pede que equipe de investigação seja 'independente e imparcial'

    © Sputnik / Andrei Stenin
    Europa
    URL curta
    662
    Nos siga no

    Exatamente há cinco anos, sobre Donbass ocorreu a catástrofe com o Boeing malaio, que fazia o voo MH17 de Amsterdã para Kuala Lumpur, matando 298 pessoas que seguiam a bordo – uma tragédia que até hoje permanece sem respostas.

    As causas exatas da queda e os culpados exatos ainda não foram determinados, embora a Equipe Conjunta de Investigação (JIT, na sigla em inglês) esteja operando já há vários anos.

    Durante uma entrevista à Sputnik nesta quarta-feira (17), o embaixador da Rússia na Holanda, Aleksandr Shulgin, comentou que a JIT tinha adaptado os fatos de modo a acusar Moscou pela queda do voo MH17 da Malaysia Airlines em 2014.

    A declaração vem depois que Bruxelas culpou mais uma vez a Rússia pela catástrofe do malogrado avião, mas se recusou a fornecer qualquer evidência para apoiar suas afirmações.

    Acusações sem provas

    Quando perguntado sobre a qualidade do trabalho da equipe de investigação conjunta, Shulgin ressaltou que "a qualidade do trabalho da JIT pode ser avaliada pelos resultados da coletiva de imprensa realizada em 19 de junho, durante a qual foram proferidos novos ataques contra a Rússia sem se basearem em nenhuma prova".

    "Mais uma vez, fomos acusados de falta de vontade de cooperar devidamente com a investigação, de não cumprimento das obrigações legais internacionais de prestar assistência jurídica e de tentativas de desviar os investigadores do caminho 'correto'. Ao público foram apresentadas evidências, que parecem confirmar a nossa culpa, recebidas do Serviço de Segurança da Ucrânia. A sua fiabilidade e qualidade podem ser julgadas mesmo sem se ser um perito criminal. Julgue por si mesmo", ressaltou o embaixador.

    Questionado sobre a consideração que tem o Ocidente pela versão russa dos acontecimentos ligados com o MH17 e pela cooperação russa no caso, o diplomata afirma que "não existe uma interação verdadeiramente igual e não se prevê que haja".

    "Quero enfatizar que a culpa não é nossa. De tempos a tempos, os pedidos de assistência jurídica que recebemos do Ministério Público neerlandês são cuidadosamente tratados pelas nossas autoridades competentes e, à medida que estão disponíveis, são dadas respostas abrangentes. A JIT em si é um 'clube' estritamente fechado que não se apressa a compartilhar informação", disse o embaixador russo, complementando que a equipe internacional "libera ao público apenas aquilo que foi cuidadosamente filtrado, negociado, aprovado por todos os membros do grupo e não contradiz a única versão oficial considerada correta".

    Adulteração do caso?

    "Os acordos alcançados no seu âmbito permitem à Ucrânia – um Estado que pode ser acusado de destruir o avião – manipular a investigação", destaca.

    Para mostrar o nível de "cooperação" do Kremlin com a JIT, o embaixador cita o exemplo da ocasião em que a Rússia transmitiu aos investigadores, em outubro de 2016, os dados de vigilância por radar da área do alegado lançamento do míssil que teria abatido o avião (o que excluiu completamente a possibilidade de fraude), enquanto que a Ucrânia e os Estados Unidos não disponibilizaram nenhuma informação solicitada pela equipe de investigação.

    Ao ser solicitado, Kiev alegou que não entregou nenhum dado devido ao fato de que todos os seus sistemas de radar, no dia da catástrofe, estavam efetuando trabalhos de manutenção – o que foi aceite como verdade absoluta pelos investigadores da JIT.

    Trabalhadores locais transportam pedaço de destroços do voo MH17 da Malaysia Airlines no local do acidente no leste da Ucrânia, 20 de novembro de 2014
    © REUTERS / Antonio Bronic
    Trabalhadores locais transportam pedaço de destroços do voo MH17 da Malaysia Airlines no local do acidente no leste da Ucrânia, 20 de novembro de 2014

    "Já vimos a mesma coisa antes, durante todo o período de investigação técnica. Sempre que compartilhávamos dados valiosos com os nossos colegas neerlandeses, por vezes desclassificados especialmente para este fim, e propúnhamos realizar testes conjuntos  deparávamos com um muro de silêncio", declarou o diplomata, adicionando que os "parceiros entendem por 'cooperação' e 'interação com a investigação' apenas a apresentação pela parte russa de provas que confirmem a versão oficial", e que o resto, segundo os próprios holandeses, são "tentativas de empurrar a investigação para o caminho errado".

    Investigação imparcial

    Ao ser questionado sobre o verdadeiro responsável pelo incidente com o avião do voo MH17, Shulgin afirma que apenas um "tribunal pode determinar e estabelecer" o culpado, devendo ser "independente e imparcial, tendo em conta todas as circunstâncias e versões, e não apenas aquela que a acusação lhe envia".

    "Infelizmente, a forma como as coisas têm sido feitas antes, e continuam a ser feitas agora, não nos permite falar de uma investigação completa e imparcial."

    Shulgin conclui explicando que a Malásia foi envolvida no trabalho da JIT apenas três meses depois que o grupo foi criado, o que mostra como o princípio da igualdade de todos os representantes é efetivamente respeitado.

    Mais:

    Surgem 4 suspeitos na investigação sobre queda do avião do voo MH17
    Rússia revela que seus dados sobre derrubada do MH17 foram ignorados
    Primeiro-ministro malaio critica resultados da investigação da catástrofe do MH17
    Tags:
    Aleksandr Shulgin, Malaysia Airlines, MH17
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar