12:11 17 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Pyotr Poroshenko, presidente da Ucrânia

    Ucrânia lança a sua própria Igreja Ortodoxa em novo episódio 'russofóbico'

    © Sputnik / Nikolay Lazarenko
    Europa
    URL curta
    705

    A Ucrânia criou uma igreja ortodoxa própria, proclamando a "independência de Moscou". Enquanto a maioria de seus hierarcas representava "igrejas" cismáticas, as autoridades de Kiev proclamaram uma suposta "unidade" que alcançaram.

    O chamado "conselho de união" aconteceu no sábado em Kiev, com o presidente do país, Pyotr Poroshenko, e outros altos funcionários presentes. A esmagadora maioria dos participantes representava duas entidades não canônicas — a Igreja Ortodoxa Ucraniana do autoproclamado "Patriarcado de Kiev" e a chamada Igreja Ortodoxa Autocéfala Ucraniana. As duas entidades não reconhecidas anunciaram a dissolução voluntária antes do evento.

    Apenas dois hierarcas da Igreja Ortodoxa Ucraniana canônica do Patriarcado de Moscou participaram do evento, os bispos metropolitanos Simeão e Aleksandr. A Igreja como um todo recusou-se a participar do encontro, denunciando-o como separatista.

    O bispo metropolitano Simeon chegou a concorrer ao posto de chefe da nova entidade, mas perdeu para a epifania "metropolitana", que havia sido uma hierarquia dentro do não reconhecido Patriarcado de Kiev.

    O chefe da entidade cismática — o "patriarca" Filaret — recebeu o título vitalício de "Patriarca Honorário" dentro da nova estrutura. O título parece não ser sem influência, já que está estabelecido no estatuto da nova igreja, que também foi adotado na reunião.

    Não ficou imediatamente claro qual a formulação exata que o documento contém, uma vez que estava sendo negociado ativamente até o último minuto. A variante do esboço, no entanto, que foi revelada no início deste mês, tornou a nova igreja totalmente subordinada ao Patriarcado de Constantinopla, independentemente de toda a conversa sobre "independência".

    Constantinopla já expressou seu apoio à nova entidade religiosa, confirmando que a reconhecerá oficialmente no início de janeiro, o que provavelmente significa que a carta adotada se adapta bem ao Patriarca Bartolomeu.

    O encontro, no entanto, foi rapidamente denunciado pela Igreja Ortodoxa Russa, que classificou suas decisões como "nulas".

    "O encontro não-canônico […] sob a orientação geral de um leigo e do chefe do país, assim como um estrangeiro que não conhece a língua local, escolheu um 'bispo' não-canônico para se tornar um não-canônico igualmente 'arcebispo'", disse o vice-chefe do Patriarcado de Moscou, Protoiereus Nikolay Balashov, acrescentando que todo o evento significava "nada" para a Igreja.

    Uma opinião semelhante foi expressa pela Igreja Ortodoxa da Bielorrússia — subordinada ao Patriarcado de Moscou — que descartou quaisquer contatos oficiais com a nova entidade ucraniana, chamando-a de "evidentemente separatista".

    Mais:

    Internautas estão perplexos por jornalista russo preso na Ucrânia não sair na capa da Time
    Lei marcial gera custo de US$ 125 milhões ao Banco Nacional da Ucrânia
    Ucrânia anuncia teste bem-sucedido de novos mísseis de cruzeiro
    Tags:
    religião, russofobia, Igreja Ortodoxa, Protoiereus Nikolay Balashov, Pyotr Poroshenko, Bielorrússia, Rússia, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar