15:37 12 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    WikiLeaks founder Julian Assange is seen on the balcony of the Ecuadorian Embassy in London, Britain, May 19, 2017

    Assange pronto para se entregar, com condição de não ser extraditado

    © REUTERS / Peter Nichollspe
    Europa
    URL curta
    5160

    No começo do dia, uma autoridade do governo de Equador disse à Reuters que Londres não recebeu nenhum pedido de extradição de Assange, acrescentando que sua prisão no Reino Unido, por violar as condições da fiança, não deve ultrapassar seis meses.

    "Esse compromisso deve ser por escrito, um compromisso entre os estados [Equador e Reino Unido], afirmando que não haverá extradição para os Estados Unidos ou países terceiros… Se houver tal compromisso, então o Sr. Assange se renderá à justiça do Reino Unido", disse o advogado de Assange, Carlos Poveda, à Sputnik nesta sexta-feira.

    Além disso, segundo relatos, Assange estaria entrando com uma ação judicial contra o Equador, para reclamar das condições de seu asilo político na embaixada deste país. Segundo o fundador do WikiLeaks, as condições de sua permanência, impostas por Quito, estão "violando seus direitos e liberdades fundamentais".

    O fundador do WikiLeaks reside na embaixada do Equador desde 2012, quando Londres concordou com sua extradição para a Suécia, onde foi acusado de crimes sexuais. Embora as autoridades suecas tenham retirado as acusações em 2017, Assange se recusou a deixar a embaixada, pois temia ser extraditado para os EUA, onde é procurado por publicar documentos diplomáticos e militares.

    Mais:

    Julian Assange estaria planejando fugir para Rússia?
    Greenwald: Assange provavelmente será preso no Reino Unido após ser despejado pelo Equador
    Presidente do Equador já tem acordo com EUA sobre Assange, diz Rafael Correa
    Imprensa: presidente do Equador diz que Julian Assange deve deixar a embaixada de Londres
    'Refúgio não é para sempre': Chanceler equatoriano indica fim de asilo a Julian Assange
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik