23:36 18 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Uma suástica riscarda

    Policiais são suspensos na Alemanha após saudação nazista

    © AP Photo / Markus Schreiber
    Europa
    URL curta
    445

    A polícia do estado da Baviera, na Alemanha, está investigando dois policiais suspeitos de realizar a saudação ilegal do líder nazista Adolf Hitler.

    A Constituição alemã considera um crime exibir símbolos nazistas, e o incidente deve alimentar um debate acalorado sobre o racismo e a ascensão da extrema direita depois de um influxo recorde de migrantes principalmente muçulmanos há três anos.

    A polícia disse em um comunicado no sábado que os dois policiais gritaram comentários anti-imigrantes e fizeram a saudação em um pub na cidade de Rosenheim na quinta-feira. A corporação baseou suas informações em uma testemunha que estava no bar que os dois oficiais.

    Um terceiro homem, descrito como um guarda de segurança na declaração da polícia, também participou e fez a saudação. Os policiais foram suspensos.

    Políticos alemães vêm pedindo ações para combater o aumento da hostilidade contra estrangeiros depois que skinheads entraram em confronto com a polícia em uma cidade do leste do país, onde um homem foi esfaqueado e dois migrantes foram identificados como os principais suspeitos.

    Os skinheads levantaram as armas em saudações nazistas, perseguiram pessoas que pareciam ser de fora e lutaram com a polícia em Chemnitz depois que a polícia identificou os suspeitos como sírios e iraquianos.

    O vazamento do mandado de prisão de um dos dois suspeitos do grupo PEGIDA, que é contra o islamismo, levantou preocupações de que alguns funcionários da justiça no estado da Saxônia, onde fica Chemnitz, eram simpatizantes da extrema direita.

    "Não permitiremos que a extrema direita se infiltre em nossa sociedade", disse neste domingo a ministra da Justiça, Katarina Barley, ao jornal alemão Bild am Sonntag, pedindo às autoridades da Saxônia que investiguem grupos de extrema direita.

    A política liberal de imigração da chanceler Angela Merkel permanece profundamente dividida em um país que recebeu mais de 1,6 milhão de pessoas nos últimos quatro anos.

    O influxo contribuiu para a ascensão do partido Alternativa para Alemanha (AfD), que entrou no Parlamento pela primeira vez em uma eleição no ano passado com uma campanha que proclamava o Islã como incompatível com a Constituição alemã.

    Cerca de 8.000 pessoas participaram de uma manifestação organizada pela AfD e pelo PEGIDA em Chemnitz no sábado. Cerca de 3.000 pessoas participaram de um protesto rival de grupos de esquerda.

    A polícia disse no domingo que as manifestações eram em grande parte pacíficas.

    Grupos de esquerda realizarão um show na cidade na segunda-feira para denunciar a xenofobia e o ódio contra refugiados e estrangeiros.

    Mais:

    'Não repitam o erro de Hitler': Kadyrov lança alerta aos inimigos da Rússia
    Visite o bunker nazista labiríntico projetado para esconder tropas de Hitler (VÍDEO)
    Parem com as teorias: franceses revelam como Hitler morreu mesmo em 1945
    Tags:
    saudação, nazistas, nazismo, xenofobia, Pegida, AfD, Katarina Barley, Chemnitz, Baviera, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik