21:02 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Auschwitz

    Polônia recua após críticas e revê prisões com controversa lei do Holocausto

    CC0
    Europa
    URL curta
    106

    Após um clamor internacional, o governo polonês recuou sobre a legislação que criminaliza qualquer referência à Polônia ser cúmplice de atrocidades nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

    A lei, que foi aprovada há seis meses, foi agora diluída. Culpar a Polônia pelo Holocausto ainda é um crime, mas agora os infratores estão sujeitos a processos civis e penalidades financeiras, segundo o primeiro-ministro Mateusz Morawiecki.

    De acordo com Morawiecki, a honra da Polônia ainda precisa ser protegida e os infratores ainda "merecem ir para a cadeia", mas ele reconheceu que é impossível cumprir tais sentenças internacionalmente.

    A emenda foi apoiada pela Câmara Baixa do Parlamento polonês e passou para o Senado.

    Quando a lei foi introduzida pela primeira vez, ela causou grande indignação em Israel. Foi criticada pelo Yad Vashem, o Centro de Memória do Holocausto em Israel, que disse que a Polônia estava tentando "confundir as verdades históricas sobre a assistência que os alemães receberam da população polonesa durante o Holocausto".

    O então secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, disse que a "promulgação desta lei afeta negativamente a liberdade de expressão e a investigação acadêmica".

    O governo polonês negou que a lei fosse uma tentativa de restringir a liberdade de expressão ou de reescrever a história. Reconheceu que os poloneses individuais colaboraram em crimes contra seus vizinhos judeus, mas alegou atribuir culpa ao país e usar a frase "campos de extermínio poloneses" era imprecisa.

    A controversa legislação veio em um momento de ressurgimento dos sentimentos de extrema-direita na Polônia e provocou uma explosão de atividade antissemita nas mídias sociais. Menos de 400.000 judeus poloneses sobreviveram ao Holocausto, segundo Yad Vashem.

    Antes da Segunda Guerra Mundial, a comunidade judaica da Polônia contava com 3 milhões de pessoas.

    Mais:

    Presidente palestino pede desculpas por declarações sobre o holocausto
    Netanyahu acusa líder palestino de ser 'negacionista do Holocausto'
    Merkel se esquiva de perguntas sobre lei polonesa do Holocausto
    Tags:
    holocausto, nazismo, judeus, Segunda Guerra Mundial, Yad Vashem, Mateusz Morawiecki, Estados Unidos, Israel, Auschwitz, Polônia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik