21:47 15 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Combatentes do batalhão Azov prestam juramento em Kiev antes de serem enviados a Donbass, julho de 2014

    'Queriam fazer de mim verdugo': quem cria 'esquadrões de morte' na Ucrânia

    © Sputnik / Yevgeny Kotenko
    Europa
    URL curta
    7212

    Ele passou por torturas horrorosas porque simplesmente não queria participar dos massacres e virar carrasco. Leia a matéria exclusiva da Sputnik sobre como se criam "esquadrões da morte" na Ucrânia.

    Andrei Veselov com participação de Aleksei Sakhnin e Yevgeny Belenky

    O departamento de contrainteligência do Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU) cria grupos clandestinos especiais. Seu objetivo é assassinar e aterrorizar os inimigos do regime. O presidente Pyotr Poroshenko sabe que existem os "esquadrões de morte".

    Sergei Sanovsky, instrutor militar e ex-vice-chefe do campo de treinamento do Batalhão Azov da Guarda Nacional da Ucrânia, recebeu o convite para liderar um de tais grupos. Depois de se recusar, ele foi sequestrado pelo SBU, passou por torturas e foi obrigado a fugir do país. 

    O correspondente da Sputnik, Andrei Veselov, encontrou Sanovsky em Mianmar. Agora ele está obtendo asilo político na Suécia.

    'Um simples herói de Maidan'

    Sergei Sanovsky é um militar de carreira descendente de militares. Antes dos acontecimentos de 2014, ele serviu na força de operações especiais das tropas do Ministério do Interior, possui as seguintes qualificações — comandante de unidade tática de inteligência e atirador especial instrutor. Depois ele foi desmobilizado. Participou dos protestos em Maidan. "Foi como se recebesse um sopro de ar fresco. Parecia que o país podia ser mesmo transformado para melhor", conta Sanovsky.

    Durante as confrontações em Kiev, Sergei, junto com um amigo, escondeu no seu prédio nove elementos da unidade especial de polícia do Ministério do Interior ucraniano, Berkut. Mais tarde, quando os estava levando para um lugar seguro, foi atacado e espancado violentamente pelos membros da Berkut: quebraram sua maxila e quase todos os dentes. Sanovsky passou dois dias inconsciente. Em seguida ele passou por várias intervenções cirúrgicas. Naquele tempo a mídia ucraniana o chamava pomposamente de "simples herói de Maidan".

    Depois de ter alta do hospital, Sanovsky se alista no Batalhão Azov. O núcleo do batalhão era constituído por nacionalistas radicais e neonazistas. Sergei não apoia as ideias de direita (ele próprio define suas opiniões como intermediárias entre liberalismo e socialismo), mas tem experiência de combate. No Azov, ele primeiro comandou um grupo de sabotagem e reconhecimento, depois se tornou vice-chefe do campo de treinamento do batalhão.

    "Criei esse campo quase a partir do zero. Também fui eu quem escreveu o primeiro programa para os recrutas do Azov", lembra Sanovsky.

    Base do batalhão Azov, em Mariupol
    © Foto : Arquivo pessoal de Sergey Sanovsky
    Base do batalhão Azov, em Mariupol
    Em novembro de 2014, um oficial de uma brigada mecanizada das Forças Armadas da Ucrânia, que participou da chamada "operação antiterrorista", apresentou Sanovsky a Andrei Lisogor. O último se posicionava como o vice-chefe não oficial e pessoa de confiança de Vladimir Ruban, líder da organização social "Corpo de Oficiais", que se ocupava da troca de prisioneiros.

    Mobilização para os exercícios militares da unidade 3066 (Batalhão Kulchitsky). Sergei Sanovsky à esquerda
    © Foto : Arquivo pessoal de Sergey Sanovsky
    Mobilização para os exercícios militares da unidade 3066 (Batalhão Kulchitsky). Sergei Sanovsky à esquerda
    Sergei foi aconselhado a se dirigir diretamente a Lisogor, pois ele "trabalha sob proteção da direção do SBU, sendo capaz de resolver muitos assuntos".

    Certificado de Sergei Sanovsky como participante dos combates
    Certificado de Sergei Sanovsky como participante dos combates

    Certificado de Sergei Sanovsky como participante dos combates
    Certificado de Sergei Sanovsky como participante dos combates
    Ao mesmo tempo, Lisogor dava palestras e aulas de formação para participantes da ATO (Operação Antiterrorista em russo, nome oficial dado pelas autoridades ucranianas ao conflito armado no leste do país), combatentes da Guarda Nacional e forças armadas, elementos operacionais e agentes do SBU. A formação era muito específica. Além de ensinar, por exemplo, o uso de armas de fogo e combate pessoal com faca, Sanovsky dava instruções detalhadas como se devia amarrar, torturar e asfixiar pessoas.

    © Sputnik .
    Andrei Lisogor durante palestras para participantes da ATO
    Com o tempo, Sanovsky e Lisogor passaram a ter relações de relativa confiança. "Participei de palestras dele, dando ao mesmo tempo aulas de tiro e preparação tática para a Guarda Nacional", conta Sergei.

    'Asfixiavam e torciam os genitais'

    Durante um encontro com Lisogor, Sanovsky ficou sabendo que ele era conselheiro oficial do chefe do departamento de contrainteligência do SBU, general Aleksei Petrov. O general era um capanga do presidente Poroshenko, não aparecia em público e apena uma vez apareceu na TV, no ar do Canal Pryamoi, falando sobre o "desmascaramento de um agente russo", supostamente Stanislav Ezhev, assessor do primeiro-ministro Vladimir Groisman. O Ministério de Segurança de Estado da autoproclamada República Popular de Donetsk acredita que foi Aleksei Petrov quem mandou assassinar os comandantes das milícias independentistas de Donbass Arsen Pavlov (apelido Motorola) e Milhail Tolstykh (apelido Givi).

    Ao se encontrar com Sanovsky mais uma vez, Lisogor levou consigo Aleksandr Poklad, major do departamento de contrainteligência.

    Em junho de 2017, Lisogor convidou Sanovsky a uma cafeteria de cozinha asiática na zona residencial Chaika, em Kiev. Ele contou que, por ordem direta de Petrov, foi criada uma rede de grupos clandestinos para "executar medidas ativas no território da Ucrânia", inclusive "eliminar indivíduos que se opõem ao rumo político atual".

    "Ele [Lisogor] dizia que apreciava muito a minha experiência e a maneira específica de realizar tarefas da subunidade sob meu comando. Ele me propôs criar um grupo de combate de entre 6 a 8 efetivos de meus ex-colegas", contou Sanovsky. Lisogor também sublinhou que "quaisquer problemas de organização ou técnicos seriam resolvidos ao mais alto nível estatal, mas que formalmente não seriamos registrados, nem mesmo como agentes."

    Lisogor também contou a Sanovsky que as duas mortes que receberam grande repercussão na Ucrânia foram preparadas pelos grupos por ele criados. Em particular, o jurista e um dos ideólogos do Batalhão Azov, Yaroslav Babich, que alegadamente teria se enforcado nas barras de parede no seu apartamento em junho de 2015, na verdade foi assassinado. "Um deles estava o asfixiando, enquanto o outro estava torcendo os genitais para que Babich não pudesse defender o pescoço. Para eles isso é uma prática comum", diz Sanovsky.

    Mobilização para os exercícios militares da unidade 3066 (Batalhão Kulchitsky). Sergei Sanovsky à direita
    © Foto : Arquivo pessoal de Sergey Sanovsky
    Mobilização para os exercícios militares da unidade 3066 (Batalhão Kulchitsky). Sergei Sanovsky à direita
    Lisogor também indicou para Sanovsky os nomes dos assassinos: foram o ex-combatente do Azov, Sergei Korovin, conhecido como Khorst, e outro combatente do Azov apelidado Polubotok. Babich foi eliminado por ter tido um conflito com Roman Zvarich, ex-ministro da Justiça e líder do movimento político direitista Corpo Civil Azov, criado com base no batalhão homônimo.

    A esposa de Babich desde o início que não acreditou no seu suicídio. "Eles lhe explicaram que se ela não ficasse quieta, Yaroslav ainda seria desonrado depois da morte, por exemplo, seria revelado que ele tinha pornografia infantil", relata Sanovsky.

    A segunda pessoa cuja morte ganhou repercussão foi o ex-coronel do Departamento Principal de Inteligência das Forças Armadas da Ucrânia, Vyacheslav Galva, que teria se explodido acidentalmente ao inspecionar munições no outono de 2014. Porém, a explosão "ocasional" foi de facto organizada por um grupo clandestino do SBU. Galva foi assassinado porque tinha se recusado a cooperar e fez afirmações críticas em relação às autoridades.

    Segundo Sergei Sanovsky, estes grupos são responsáveis por muitos ataques a políticos, jornalistas e ativistas. Em certas ocasiões, as pessoas foram simplesmente intimidadas, e depois elas iam à polícia ou SBU para pedir proteção. Ao final, acabavam ficando "na armadilha". Lisogor contou que no total tinham sido realizadas várias dezenas de tais atividades. "Pelo que entendi, estes grupos tinham que intimidar e eliminar não apenas oponentes políticos, mas também os que duvidavam e não queriam cooperar. Além disso, eles eram usados em simples ajustes de contas econômicos", explica Sanovsky.

    Base de formação e treinamento do regimento Azov no território da fábrica Atek, em Kiev. Sergei Sanovsky
    © Foto : Arquivo pessoal de Sergey Sanovsky
    Base de formação e treinamento do regimento Azov no território da fábrica Atek, em Kiev. Sergei Sanovsky
    Vale destacar que Lisogor sempre sublinhou que as atividades dos grupos foram aprovadas por Pyotr Poroshenko e que Petrov estava subordinado diretamente ao presidente ucraniano, contornando o chefe do SBU.

    Sergei recusou de forma dura a proposta de Lisogor. "Eles queriam fazer de mim um verdugo. Sou um soldado e não um verdugo", afirma. Em resposta, Lisogor exigiu que ele não contasse a ninguém sobre essa conversa "senão seria, no melhor dos casos, asfixiado na entrada do prédio".

    A Sputnik também dispõe de informações que outro instrutor militar ucraniano também recebeu uma proposta semelhante. Agora ele está fora da Ucrânia. Ele recebeu a proposta de Irina Rubenstein, uma conhecida próxima e colaboradora de Lisogor que formalmente está encarregue de direção administrativa da organização social Contraofensiva Ucraniana.

    Polígono da Guarda Nacional, treinamento dedicado à memória do coronel do Departamento Principal de Inteligência das Forças Armadas da Ucrânia, Vyacheslav Galva. Da esquerda à direita: Irina Rubenstein, Andrei Lisogor, voluntária Irina e Sergei Sanovsky
    © Foto : Arquivo pessoal de Sergey Sanovsky
    Polígono da Guarda Nacional, treinamento dedicado à memória do coronel do Departamento Principal de Inteligência das Forças Armadas da Ucrânia, Vyacheslav Galva. Da esquerda à direita: Irina Rubenstein, Andrei Lisogor, voluntária Irina e Sergei Sanovsky
    "Ele saltava sobre minha espinha dorsal"

    Quando teve a última conversa com Lisogor, Sanovsky já tinha abandonado o Batalhão Azov, mas dava aulas em outras unidades da Guarda Nacional e das forças armadas. Ele se decepcionou completamente com o rumo político oficial. "A situação estava piorando a cada ano, os participantes da ATO eram obcecados com álcool e praticavam pilhagens. Os soldados não recebiam provisões. Mas em Kiev os políticos estavam roubando em quantidades absurdas", comenta Sanovsky.

    O militar acaba tendo a ideia de organizar um protesto "contra a política na zona da ATO e contra as reformas da aposentadoria e agrária", chamando a participar os veteranos da ATO. Ele enviou um pedido à prefeitura para sancionar a ação e esta foi aprovada. Mas esse protesto nunca foi realizado.

    "Em 10 de julho de 2017, eles quebraram a minha porta. Entraram pessoas em uniforme, gritando ‘SBU'. Não tinham nenhum mandado, nenhuns documentos! Não ofereci resistência, mas eles me espancaram violentamente. Um deles ficou literalmente saltando na minha espinha dorsal", lembra Sanovsky. Naquele momento, no apartamento estava também a esposa grávida de Sergei, Tatiana.

    Sergei foi levado ao edifício do SBU, onde primeiro falou com ele um procurador e depois os funcionários do departamento de contrainteligência. "Eles me obrigavam a confessar ter cometido coisas absurdas: que planejava um golpe de Estado, planejava assassinar o presidente e ministros. Era uma estupidez! Mas eles exigiam que eu confessasse para a câmera ter feito essa estupidez. E a principal coisa que exigiam era que concordasse em cooperar com eles", lembra Sanovsky.

    Um dos operacionais que estava lá era o mesmo Aleksandr Poklad que Sergei conheceu através de Lisogor. Foi ele que começou a torturar Sanovsky. "As pessoas ficam com muito medo quando lhes falta o oxigênio. Aqui praticam principalmente a asfixia, pois isso funciona", diz Sanovsky. Depois, nele colocaram uma máscara antigás e começaram a enchê-la com gás de pimenta. Sanovsky também foi torturado com um aparelho de choques elétricos e torceram a espinha dorsal. Sergei acabou concordando em assinar tudo e depois de 12 horas de torturas e espancamentos ele foi libertado.

    O ex-porta-voz do SBU, Stanislav Rechinsky, também confirmou a má fama do departamento de contrainteligência e de Aleksandr Poklad pessoalmente. "Em vez de capturar os verdadeiros terroristas, o departamento leva pessoas para a floresta, onde as asfixia ao estilo da antiga Direção de Combate ao Crime Organizado. Eles têm um oficial, Aleksandr Poklad, apelidado de ‘Asfixiador', ele é conhecido precisamente por isso", admite Rechinsky.

    "Eles pensavam que me tinham forçado a cooperar, mas eu passei à ofensiva", diz Sanovsky. Sergei fez um registro das machucadas em várias clínicas e apresentou uma queixa no Bureau Nacional Anticorrupção da Ucrânia (NABU) sobre sequestro e torturas. O bureau se recusou a analisar o caso, então o advogado de Sanovsky, Sergei Titorenko da companhia Fortetsia, recorreu ao tribunal que acabou abrindo um processo que em seguida foi transferido à procuradoria militar.

    • Requerimento de Sergei Sanovsky ao NABU sobre sequestro e torturas pelos agentes do SBU
      Requerimento de Sergei Sanovsky ao NABU sobre sequestro e torturas pelos agentes do SBU
    • Requerimento de Sergei Sanovsky ao NABU sobre sequestro e torturas pelos agentes do SBU
      Requerimento de Sergei Sanovsky ao NABU sobre sequestro e torturas pelos agentes do SBU
    • Requerimento de Sergei Sanovsky ao NABU sobre sequestro e torturas pelos agentes do SBU
      Requerimento de Sergei Sanovsky ao NABU sobre sequestro e torturas pelos agentes do SBU
    • Requerimento de Sergei Sanovsky ao NABU sobre sequestro e torturas pelos agentes do SBU
      Requerimento de Sergei Sanovsky ao NABU sobre sequestro e torturas pelos agentes do SBU
    • Requerimento de Sergei Sanovsky ao NABU sobre sequestro e torturas pelos agentes do SBU
      Requerimento de Sergei Sanovsky ao NABU sobre sequestro e torturas pelos agentes do SBU
    • Requerimento de Sergei Sanovsky ao NABU sobre sequestro e torturas pelos agentes do SBU
      Requerimento de Sergei Sanovsky ao NABU sobre sequestro e torturas pelos agentes do SBU
    • Decisão do tribunal local Solomensky, em Kiev, sobre satisfação da reclamação de Sergei Sanovsky contra NABU e início da investigação
      Decisão do tribunal local Solomensky, em Kiev, sobre satisfação da reclamação de Sergei Sanovsky contra NABU e início da investigação
    • Decisão do tribunal local Solomensky, em Kiev, sobre satisfação da reclamação de Sergei Sanovsky contra NABU e início da investigação
      Decisão do tribunal local Solomensky, em Kiev, sobre satisfação da reclamação de Sergei Sanovsky contra NABU e início da investigação
    • Excerto do registro criminal sobre o início de investigação a pedido de Sergei Sanovsky
      Excerto do registro criminal sobre o início de investigação a pedido de Sergei Sanovsky
    • Excerto do registro criminal sobre o início de investigação a pedido de Sergei Sanovsky
      Excerto do registro criminal sobre o início de investigação a pedido de Sergei Sanovsky
    • Carta da procuradoria militar ao advogado de Segei Sanovsky, Sergei Titorenko sobre ter tido conhecimento dos documentos que comprovam o fato de tortura de Sanovsky no SBU
      Carta da procuradoria militar ao advogado de Segei Sanovsky, Sergei Titorenko sobre ter tido conhecimento dos documentos que comprovam o fato de tortura de Sanovsky no SBU
    • Carta da procuradoria militar ao advogado de Segei Sanovsky, Sergei Titorenko sobre ter tido conhecimento dos documentos do processo
      Carta da procuradoria militar ao advogado de Segei Sanovsky, Sergei Titorenko sobre ter tido conhecimento dos documentos do processo
    • Carta da procuradoria militar ao advogado de Segei Sanovsky, Sergei Titorenko, sobre ter tido conhecimento dos documentos que comprovam o fato de tortura de Sanovsky no SBU
      Carta da procuradoria militar ao advogado de Segei Sanovsky, Sergei Titorenko, sobre ter tido conhecimento dos documentos que comprovam o fato de tortura de Sanovsky no SBU
    1 / 13
    Requerimento de Sergei Sanovsky ao NABU sobre sequestro e torturas pelos agentes do SBU
    Enquanto o advogado estava tratando dos assuntos com o tribunal e a procuradoria, Sanovsky decidiu se esconder. Ele mudou o número de telefone, primeiro refugiou-se em apartamentos alheios em Kiev, depois partiu para a Transnístria e daí para a Moldávia. Morou lá por alguns meses e logo chegou também sua esposa.

    "Em certo momento, Poklad ligou para mim no WhatsApp. Disse que sabia onde eu estava e que ele também estava em Chisinau. Disse que deveríamos nos encontrar, que eu tinha de cooperar com eles senão isso acabaria 'muito mal'. É provável que o processo aberto pela procuradoria tenha virado uma verdadeira ameaça para eles e eles queriam que eu desistisse das minhas palavras. Eu simulei ter aceite o encontro, que estava agendado para o dia seguinte, às 12h00. Por razões de segurança, eu fiz um vídeo com a minha denúncia e fui-me embora com a minha esposa para a Bulgária", recorda Sanovsky.

    © Sputnik .
    Vídeo com apelo de Sanovsky
    Na capital búlgara de Sófia, Sergei recebeu uma mensagem do advogado dizendo que era preciso que "ele partisse urgentemente para um lugar distante, o melhor seria para a Ásia e esperar lá". Depois disso, o advogado deixou de atender as chamadas. "Eles efetuaram buscas nas casas dele e de minha mãe. Acho que ele ficou com medo", diz Sanovsky.

    Então, Sergei decidiu se esconder em Mianmar, obtendo um visto eletrônico, mas não conseguiu sair da Bulgária tão facilmente. Ao atravessar o controle de passaportes, ele e sua esposa foram detidos com um policial explicando que "há um pedido da Interpol", mas sem comentar mais nada. Sanovsky afirmou então que iria pedir asilo político.

    Sergei Sanovsky e sua esposa Tatiana no aeroporto de Bangkok
    © Foto : Andrei Veselov
    Sergei Sanovsky e sua esposa Tatiana no aeroporto de Bangkok
    "Ele ficou com os olhos bem abertos de espanto. Eles nos soltaram de vez, acompanharam ao avião, não queriam nenhum escândalo. Eles nos terão detido por terem um acordo informal com o SBU. Se eles me detivessem, depois poderiam entregar aos nossos [ucranianos]. Houve casos quando pessoas foram levadas da Bulgária para a Ucrânia em porta-bagagens", avança Sergei.

    Enquanto em Mianmar, Sergei tentava se comunicar com o advogado, mas em vão. Ele passou por uma operação na coluna vertebral, danificada durante os interrogatórios. Ele queria pedir asilo político no país asiático, mas a missão da ONU lhe explicou que a legislação de Mianmar nem sequer contém este conceito.

    No momento, Sergei e sua esposa estão formalizando o pedido de asilo político na Suécia e estão sob proteção da polícia.

    Yangon — Bangkok — Estocolmo — Moscou 

    Mais:

    'Sangue, morte e desgraça': deputado indica alternativa às negociações sobre Donbass
    Como restaurar a paz em Donbass? Líder da República de Donetsk nomeia possíveis opções
    Milícia de Lugansk: Exército da Ucrânia concentra material pesado em Donbass
    Instrutores dos EUA chegam a Donbass para treinar militares ucranianos
    Especialista sobre testes de Javelin: EUA fazem de tudo para agravar situação em Donbass
    Tags:
    torturas, Serviço de Segurança da Ucrânia (SBU), Berkut, Interpol, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik