06:05 20 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Horst Seehofer (à esq.) ao lado da premiê alemã Angela Merkel

    Ministro diz que Alemanha já tem prazo para iniciar expulsão de migrantes

    © REUTERS / Michael Dalder
    Europa
    URL curta
    151

    A polícia alemã vai começar a recusar unilateralmente os migrantes que pediram asilo em um Estado diferente se a chanceler Angela Merkel não conseguir negociar uma solução em toda a UE, disse o ministro do Interior, Horst Seehofer.

    Falando em um encontro nesta segunda-feira, o principal aliado de Merkel e o chefe do partido União Social Cristã (CSU) disseram que a chanceler aprovou quase todas as disposições do seu chamado "plano mestre".

    Ele também desejou a Merkel "muita sorte" em suas negociações com outros países europeus, que devem ocorrer no Conselho Europeu de 28 a 29 de junho, informando que seu partido apóia "qualquer decisão europeia" que vise resolver o problema da migração.

    No entanto, Seehofer também mostrou determinação para seguir em frente, dizendo que se as negociações de Merkel falharem, elas serão compelidas a "agir em uma base nacional".

    "Mantemos nossa posição de que, se a rejeição imediata na fronteira não for possível, eu imediatamente ordeno à polícia que as pessoas que têm proibição de entrada ou proibição de permanência sejam imediatamente rejeitadas na fronteira", afirmou.

    As novas medidas serão aplicadas especialmente aos migrantes que se registraram ou pediram asilo em outro país da União Europeia (UE), declarou o ministro do Interior.

    A questão da migração ilegal tem sido um obstáculo entre a CSU da Bavária e a União Democrata Cristã (CDU) de Merkel. A briga entre os aliados aparentemente levou Merkel e Seehofer a falar em coletivas de imprensa separadas.

    Comentando o suposto prazo para Merkel negociar uma solução para toda a UE, Seehofer disse que "a questão toda não é sobre esses 14 dias, mas sobre diferenças fundamentais" entre a liderança dos dois partidos irmãos.

    "Queremos uma solução nacional se não for encontrada uma solução europeia", pontuou Seehofer, acrescentando que "a CDU, ou pelo menos seus líderes, não querem".

    Merkel, por sua vez, elogiou o "plano diretor" de Seehofer ao chamar o documento de "uma boa base" para resolver os problemas existentes da política de migração. Ela acrescentou que a CDU ainda quer trabalhar com seus aliados bávaros e espera que as duas partes "tenham sucesso juntos".

    Mas a chanceler contradisse o seu aliado sobre as medidas que devem ser tomadas na Alemanha, dizendo que "não haverá automatismo" na rejeição dos requerentes de asilo após as negociações da UE.

    "Um país localizado no coração da Europa" não pode simplesmente rejeitar os requerentes de asilo em suas fronteiras em um movimento unilateral, pois provocaria "um efeito dominó negativo", advertiu Merkel ao explicar que pretende chegar a acordos bilaterais com outros países da UE sobre o endurecimento da política de migração da Alemanha.

    Merkel disse que apresentaria primeiro os resultados das negociações para seu próprio partido em 1º de julho e depois as discutiria com seus aliados bávaros.

    Embora Merkel e Seehofer tenham falado em alcançar algum tipo de acordo mutuamente aceitável e garantissem apoio mútuo para "uma melhor gestão da migração e redução do influxo de migrantes", seus pontos de vista sobre o futuro da política de migração alemã ainda apareciam ser visivelmente diferente.

    Merkel acredita que é "do interesse da Alemanha" chegar a um acordo sobre a gestão da migração "em estreita parceria com nossos vizinhos europeus".

    O plano diretor de Seehofer tem sido uma fonte de discórdia entre os parceiros da coalizão por algum tempo. O documento, que ainda não foi revelado ao público, supostamente prevê o retrocesso de certas categorias de requerentes de asilo mesmo na fronteira alemã, bem como a redução dos benefícios para os requerentes de asilo que vivem na Alemanha.

    Mais cedo, Merkel argumentou contra a atual proposta dizendo que Berlim não pode fechar suas fronteiras unilateralmente.

    No sábado, Seehofer supostamente disse a seus assessores mais próximos que ele "não pode mais trabalhar com essa mulher" no que parecia ser um ponto alto da disputa dentro da coalizão. No domingo, ele disse, no entanto, que ninguém quer um desmembramento da coalizão governista de Merkel.

    Mais:

    Tunisiano é preso por produzir 'armas biológicas' na Alemanha
    Sírio é condenado na Alemanha após mentir sobre ataque terrorista para obter residência
    Alemanha ainda não viu 'nenhuma evidência' do envolvimento russo no caso Skripal
    Tags:
    expulsão, política de imigração, imigrantes, imigração, migração, União Europeia, CSU, CDU, Angela Merkel, Horst Seehofer, Berlim, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik