23:40 19 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Donald Trump, presidente dos EUA, deixa Quebec, no Canadá, após participar da cimeira do G7, em 9 de junho de 2018

    Por que Trump voltou as costas para o G7? Cientista político explica

    © REUTERS / Yves Herman
    Europa
    URL curta
    8273

    A decisão do presidente estadunidense, Donald Trump, de não assinar o comunicado final do grupo G7 é uma tentativa de distrair a atenção das discussões em torno da política protecionista de Washington, acredita um analista.

    "Trump tinha consciência de que se encontraria perante argumentos bastante sérios, por exemplo, sobre a ruptura da parceria multilateral, inclusive no que se trata das regras da OMC, dos acordos comerciais e da questão mais dolorosa — as recém-introduzidas tarifas", disse o especialista Aleksandr Asafov ao RT.

    De acordo com ele, foi por isso que o líder norte-americano propôs logo fazer a Rússia voltar ao G7 e tentou "remodelar a pauta". Porém, não foi possível evitar as questões dolorosas, por isso Trump se defendeu com as acusações em resposta, observou Asafov.

    Além disso, ele ressaltou que a cúpula passada foi uma tentativa de solidificar "as relações cada vez mais frágeis" do Ocidente como frente unida, mas o presidente norte-americano não quis fazer concessões.

    A cimeira do G7 se realizou entre 8 e 9 de junho no Canadá. Segundo comunicou o premiê do país, Justin Trudeau, o comunicado final foi acordado entre todos os países. Contudo, mas tarde foi revelado que Trump se recusou assinar o documento.

    Nas vésperas do G7, Trump introduziu tarifas para as importações de aço e alumínio da UE e Canadá, o que suscitou muitas críticas.

    Mais:

    Afinal das contas, o que impede o encontro entre Putin e Trump hoje?
    Macron ameaça Trump e diz que EUA podem ser expulsos do G7
    Trump não deve forçar Irã a sair do acordo nuclear, diz Macron
    Tags:
    reunião, cimeira, G7, Justin Trudeau, Donald Trump, Canadá, Europa, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik