21:24 25 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    0100
    Nos siga no

    A Alemanha precisa combater o plano do presidente estadunidense Donald Trump para lançar um ataque militar contra a Síria, afirmou a co-presidente do partido alemão Die Linke (A Esquerda), acrescentando que a guerra só agravaria uma situação já ruim.

    Falando ao jornal Taz, Katja Kipping disse que a intervenção na Síria em resposta ao suposto ataque químico em Douma não ajudaria as pessoas no país, mas sim "escalaria o conflito". Ela acrescentou que tal intervenção poderia ter implicações de longo alcance.

    "Seria errado incitar a situação de guerra na Síria e expandi-la para uma guerra direta entre as forças da OTAN e a Rússia, ou entre os EUA e o Irã", afirmou.

    Kipping pediu à Alemanha para "vetar" o plano dentro da OTAN e deixar claro que a política atual dos EUA e da Turquia na Síria é "devastadora".

    A decisão ocorre após a chanceler alemã Angela Merkel ter descartado a participação de Berlim em um ataque militar à Síria. Ela afirmou, no entanto, que a Alemanha apoia o envio de uma mensagem de que o uso de armas químicas "não é aceitável".

    Trump não é tão contido, tendo postado no Twitter na última quarta-feira que a Rússia deveria "se preparar" para que os mísseis fossem lançados na Síria, apesar de uma investigação oficial da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) ainda não ter ocorrido.

    Diplomacia no Twitter

    Sua administração, no entanto, pareceu recuar sobre essa postura, afirmando que nada foi decidido — enquanto ainda enfatiza que "todas as opções estão na mesa".

    A Grã-Bretanha, por sua vez, parece estar se apegando ao seu aliado mais próximo. O gabinete afirmou na quinta-feira que o Reino Unido "deve agir" após o suposto ataque químico, que segundo ele é "altamente provável" de ter sido realizado pelas forças do presidente sírio Bashar Assad. Também sugeriu que a primeira-ministra Theresa May continuaria a liderar o próximo passo do Ocidente junto com Trump e o presidente francês Emmanuel Macron.

    Mas, como os países ocidentais parecem preparados para agir, a Rússia afirmou que o suposto ataque não aconteceu e foi encenado pelos serviços de inteligência de um "Estado" que promove a 'russofobia'.

    "Temos provas irrefutáveis de que se tratou de outra encenação, e os serviços especiais de um Estado que está à frente da campanha russofóbica participaram da encenação", disse o ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, em entrevista coletiva com seu colega holandês Stef Blok nesta sexta-feira.

    A Rússia também ressaltou que o relatório inicial do ataque veio do grupo de voluntários dos Capacetes Brancos, ligado aos rebeldes, e que os militares russos não encontraram vestígios de tal ataque depois de viajarem para o local. Especialistas da OPAQ ainda não entregaram sua avaliação e começarão a trabalhar no local do suposto ataque neste sábado.

    Mais:

    Lavrov diz que Moscou possui 'provas irrefutáveis' da encenação química na Síria
    Aviões norte-americanos realizam operação de vigilância perto das bases russas na Síria
    Mais de 60% dos cidadãos do Reino Unido preferem que Parlamento vote intervenção na Síria
    Tags:
    Alemanha, Síria, Estados Unidos, Rússia, Irã, Katja Kipping, Angela Merkel, Donald Trump, Theresa May, Emmanuel Macron, Bashar Assad, OTAN, Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), diplomacia, guerra, conflito sírio, política
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar