17:29 21 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Katja Kipping, líder do partido da esquerda alemã Die Linke

    Berlim deve vetar ataque à Síria para evitar conflitos com Rússia e Irã, diz líder alemã

    © Sputnik / Ilona Pfeffer
    Europa
    URL curta
    9100

    A Alemanha precisa combater o plano do presidente estadunidense Donald Trump para lançar um ataque militar contra a Síria, afirmou a co-presidente do partido alemão Die Linke (A Esquerda), acrescentando que a guerra só agravaria uma situação já ruim.

    Falando ao jornal Taz, Katja Kipping disse que a intervenção na Síria em resposta ao suposto ataque químico em Douma não ajudaria as pessoas no país, mas sim "escalaria o conflito". Ela acrescentou que tal intervenção poderia ter implicações de longo alcance.

    "Seria errado incitar a situação de guerra na Síria e expandi-la para uma guerra direta entre as forças da OTAN e a Rússia, ou entre os EUA e o Irã", afirmou.

    Kipping pediu à Alemanha para "vetar" o plano dentro da OTAN e deixar claro que a política atual dos EUA e da Turquia na Síria é "devastadora".

    A decisão ocorre após a chanceler alemã Angela Merkel ter descartado a participação de Berlim em um ataque militar à Síria. Ela afirmou, no entanto, que a Alemanha apoia o envio de uma mensagem de que o uso de armas químicas "não é aceitável".

    Trump não é tão contido, tendo postado no Twitter na última quarta-feira que a Rússia deveria "se preparar" para que os mísseis fossem lançados na Síria, apesar de uma investigação oficial da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) ainda não ter ocorrido.

    Diplomacia no Twitter

    Sua administração, no entanto, pareceu recuar sobre essa postura, afirmando que nada foi decidido — enquanto ainda enfatiza que "todas as opções estão na mesa".

    A Grã-Bretanha, por sua vez, parece estar se apegando ao seu aliado mais próximo. O gabinete afirmou na quinta-feira que o Reino Unido "deve agir" após o suposto ataque químico, que segundo ele é "altamente provável" de ter sido realizado pelas forças do presidente sírio Bashar Assad. Também sugeriu que a primeira-ministra Theresa May continuaria a liderar o próximo passo do Ocidente junto com Trump e o presidente francês Emmanuel Macron.

    Mas, como os países ocidentais parecem preparados para agir, a Rússia afirmou que o suposto ataque não aconteceu e foi encenado pelos serviços de inteligência de um "Estado" que promove a 'russofobia'.

    "Temos provas irrefutáveis de que se tratou de outra encenação, e os serviços especiais de um Estado que está à frente da campanha russofóbica participaram da encenação", disse o ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, em entrevista coletiva com seu colega holandês Stef Blok nesta sexta-feira.

    A Rússia também ressaltou que o relatório inicial do ataque veio do grupo de voluntários dos Capacetes Brancos, ligado aos rebeldes, e que os militares russos não encontraram vestígios de tal ataque depois de viajarem para o local. Especialistas da OPAQ ainda não entregaram sua avaliação e começarão a trabalhar no local do suposto ataque neste sábado.

    Mais:

    Lavrov diz que Moscou possui 'provas irrefutáveis' da encenação química na Síria
    Aviões norte-americanos realizam operação de vigilância perto das bases russas na Síria
    Mais de 60% dos cidadãos do Reino Unido preferem que Parlamento vote intervenção na Síria
    Tags:
    política, conflito sírio, guerra, diplomacia, Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), OTAN, Bashar Assad, Emmanuel Macron, Theresa May, Donald Trump, Angela Merkel, Katja Kipping, Irã, Rússia, Estados Unidos, Síria, Alemanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik