23:28 17 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    O navio de guerra britânico HMS Westminster ancorado em Gibraltar, 19 de agosto de 2013

    General dos EUA: se Reino Unido seguir com cortes militares, ficará indefeso

    © AP Photo/ Laura Leon
    Europa
    URL curta
    641

    A Grã-Bretanha deve parar de cortar o orçamento das Forças Armadas ou não será capaz de se proteger, de acordo com um alto oficial do governo dos Estados Unidos. No entanto, os veteranos do Exército britânico disseram que será preciso mais do que dinheiro para tornar efetivas as Forças Armadas da nação.

    O tenente-general Ben Hodges, comandante do Exército dos EUA na Europa, instou o governo britânico a acabar com sua política de austeridade.

    Hodges disse que a Grã-Bretanha está se movendo em direção ao abismo reduzindo os recursos para o Exército, Marinha Real e Força Aérea Real (RAF). O Ministério da Defesa (MoD) afirmou que está economizando £ 20 bilhões, mas fontes do governo dizem que o valor real é de £ 30 bilhões, o que deve ser salvo ao longo de 10 anos.

    No comando da tomada de decisão, o recém-nomeado secretário de Defesa da Grã-Bretanha, Gavin Williamson, não possui experiência militar. Ele vai encontrar o seu homólogo americano James Mattis em Bruxelas nesta semana.

    O Exército, a Marinha e a RAF foram convidados a sugerir espaço para economizar. Cortes podem deixar navios fora de serviço e reduzir o números de tropas. Em seu lugar, o investimento em tecnologia de batalha, como drones, poderia ser priorizado. Entre a lista do que deve ser cortado em nome da austeridade estão os navios da Marinha Real, o HMS 'Albion' e o HMS 'Bulwark'.

    "Eu odiaria perder essa capacidade particular", disse o general Hodges. "Sempre que você tira algo da mesa unilateralmente, então você acabou de tornar o trabalho um pouco mais simples para um potencial adversário".

    O comandante estadunidense também expressou preocupação com cortes envolvendo os soldados da elite do Exército britânico.

    Justificativas

    Mas não é apenas uma questão de cortar ou não cortar. Parte do problema com as Forças Armadas do Reino Unido é estrutural e cultural. O veterano do Exército britânico, Anthony Heaford, disse à RT UK que toda a estrutura deve ser reformada e que o processo de tomada de decisão seja radicalmente reformado se as forças forem lidar em tempos mais enxutos.

    "As conversas sobre oposição reduziram os orçamentos militares e os tamanhos de força aparecem mais preocupados com a manutenção da lucratividade de nossas indústrias de armas em expansão [EUA e Reino Unido] do que realmente melhorar a capacidade estratégica", afirmou.

    "Minha experiência com o Exército britânico no Afeganistão revelou uma instituição que parece não ter memória dos erros do passado — os oficiais sêniores estavam muito ocupados planejando desfiles de medalhas e suas próprias carreiras futuras para defender nossa principal base operacional em Helmand. Era um cenário clássico de 'leões liderados por burros e dinossauros'".

    O veterano insiste que uma reforma de cima para baixo é necessária, incluindo a análise da influência do governo. "Se a Grã-Bretanha quiser manter sua posição no cenário mundial como uma força militar a ser considerada, precisamos reformar radicalmente a estrutura de nossas Forças Armadas inteira e os ministérios governamentais responsáveis", afirmou.

    "Além de nossos políticos nos envolvendo em alianças e conflitos imorais, a maior ameaça às Forças Armadas da Grã-Bretanha são esses incompetentes funcionários públicos e generais — os burros e os dinossauros. Até que nós, como nação, estejamos dispostos a examinar e admitir verdadeiramente as nossas falhas militares no Iraque e no Afeganistão, estaremos condenados a repetir esses erros uma e outra vez, independentemente dos orçamentos", concluiu.

    Mais:

    Geração Identitária: quem é o grupo de jovens nacionalistas que quer entrar no Reino Unido
    Líder neonazista se declara gay, revela ser judeu e abandona movimento no Reino Unido
    Marinha do Reino Unido testa defesa antiaérea contra mísseis supersônicos
    Tags:
    austeridade, terrorismo, segurança, defesa, equipamentos militares, Exército britânico, Marinha Real, Força Aérea Real, Anthony Heaford, James Mattis, Ben Hodges, Grã-Bretanha, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik