22:34 23 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Conselho de Segurança da ONU debate ataque dos EUA à Síria

    Rússia veta resolução da ONU sobre uso de armas químicas na Síria

    UN Photo / Rick Bajornas / Fotos Públicas
    Europa
    URL curta
    534272522

    O governo russo vetou uma resolução da Organização das Nações Unidas (ONU) que demandava a cooperação do governo sírio com a investigação a respeito do ataque com armas químicas ocorrido na semana passada.

    O governo russo vetou uma resolução da Organização das Nações Unidas (ONU) que demandava a cooperação do governo sírio com a investigação a respeito do ataque com armas químicas ocorrido na semana passada.

    O documento rejeitado pelo Kremlin foi apresentado por Estados Unidos, Reino Unido e França.

    Para os países ocidentais, o presidente sírio Bashar Assad é o principal suspeito de ter orquestrado e ordenado o ataque, que matou 87 civis, incluindo 31 crianças, na cidade síria de Khan Shaykhun, que é controlada por militantes contrários ao governo de Assad.

    Esta foi a oitava vez em que a Rússia usou o seu poder de veto no Conselho de Segurança da ONU para bloquear ações contra o seu principal aliado em Damasco.

    O que dizia a resolução

    A Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) informou que sua missão estava recebendo informações de todas as fontes disponíveis sobre o uso de armas químicas na Síria, para depois apresentar um documento ao Conselho Executivo da OPAQ. O Conselho de Segurança da ONU pede que a missão “informe os resultados de sua investigação o mais rápido possível”.

    A resolução apresentada por norte-americanos, britânicos e franceses reforça que “o Conselho de Segurança condena o uso de armas químicas na Síria, em particular no ataque de Khan Shaykhun”, e que “nenhuma das partes na Síria deve utilizar, desenvolver, produzir, adquirir, armazenar ou transferir armas químicas”.

    Pelo documento, todas as partes envolvidas no conflito sírio devem cooperar plenamente com a OPAQ, e relembrar ao governo de Assad que é preciso conceder acesso a todas as instalações necessárias à investigação, incluindo as informações sobre os registros de voos do dia 4 de abril, entre outras instruções.

    Rússia pede “uma investigação exaustiva”

    A versão da resolução apresentada pelos três governos ocidentais foi considerada “inaceitável” pelo governo da Rússia. Para o Kremlin, houve uma pressa dos países em acusar Assad pelo suposto uso de armas químicas contra civis e agora é necessária uma investigação completa sobre o emprego de agentes tóxicos na província síria de Idlib.

    Representante russo no conselho, Vladímir Safronkov exigiu “uma investigação exaustiva” do caso e disse ter ouvido com “assombro” a algumas das conclusões apontadas por outros integrantes do Conselho de Segurança. “Escutei com assombro que os especialistas franceses já chegaram à conclusão de que quem fez [o ataque] foi Damasco […]. Como sabem se ninguém visitou o local do crime?”, perguntou Safronkov.

    Já o representante sírio Staffan de Mistura pediu pela colaboração entre os governos dos Estados Unidos e da Rússia para estabilizar a situação no país, em busca de uma resolução política ao conflito. Ele pediu “moderação” após o ataque com mísseis ordenado pela Casa Branca contra a Síria, sob pena de uma “escalada da violência”.

    Mais:

    Trump conta a Xi Jinping sobre ataque contra base aérea síria ao comer sobremesa
    Rússia pede ajuda internacional para destruir minas terrestres na Síria
    Tudo que tem que saber sobre os mísseis Tomahawk lançados contra Síria
    Tags:
    veto, guerra, armas químicas, Conselho de Segurança da ONU, Rússia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik