01:01 19 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Europa
    URL curta
    33416
    Nos siga no

    A Rússia está empenhada em uma guerra de informação contra a União Européia e a OTAN, usando uma ampla gama de instrumentos para impor o seu ponto de vista, informou o Conselho de Informações da Estônia (EIB), o serviço de inteligência do país.

    "Para escalar as tensões, a Rússia, com ajuda de aliados, dissemina desinformação — uma mistura de verdades e de mentiras, destinadas a enganar os seus alvos. O Kremlin faz uso extensivo de meios de comunicação em idioma russo e idiomas estrangeiros, bem como de inúmeras contas de mídia social falsas", informa o relatório, intitulado "International Security and Estonia 2017".

    De acordo com o relatório, a informação "fabricada", supostamente fornecida pela mídia russa, é usada ativamente por "círculos anti-elite" na União Européia.

    "Para cumprir seus objetivos de política externa, o Kremlin está cada vez mais dependente dos partidos populistas de direita e de esquerda, engajados contra a União Européia e a OTAN — agora uma força política a ser reconhecida em toda a Europa", afirma o relatório.

    A inteligência estoniana classifica a Frente Nacional francesa e a Alternativa para a Alemanha, ambos partidos de direita, de mais importantes parceiros russos da União Europeia.

    O relatório estoniano alerta que a Rússia pretende empreender ataques cibernéticos contra a Estônia no segundo semestre de 2017, quando o país estará ocupando a presidência da União Europeia.

    "O objetivo de tais tentativas é lançar dúvidas sobre a reputação da Estônia como um estado e prejudicar a Estônia de uma forma ou de outra", diz o relatório.

    Os países ocidentais têm acusando a Rússia de travar uma guerra de informação contra a União Européia e a OTAN. Essas acusações são usadas como pretexto para reprimir a mídia russa. Em 23 de novembro de 2016, o Parlamento Europeu aprovou uma resolução equiparando a agência de notícias Sputnik e a emissora RT à propaganda do Daesh (também conhecido como Estado Islâmico).

    Mais:

    Parlamento da Lituânia considera redução de conteúdos russos em redes de TV do país
    Theresa May convoca reunião para discutir 'interferência' russa em assuntos internos
    Opinião: Crítica britânica à Sputnik e RT revela pânico sobre hegemonia da mídia ocidental
    Mídia italiana 'adora' a Sputnik
    Jornalista mais perigosa do mundo?
    Inteligência dos EUA diz que Sputnik, RT e 'trolls' russos intervieram nas eleições
    Tags:
    inteligência, propaganda, Conselho de Informações da Estônia, Estônia, União Europeia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar