20:21 21 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Protesto na Praça Maidan em Kiev, 22 de fevereiro

    Passados 3 anos desde Euromaidan, Poroshenko é interrogado

    © Sputnik/ Andrei Stenin
    Europa
    URL curta
    943

    O porta-voz do presidente ucraniano, Svyatoslav Tsegolko, confirmou o fato de o chefe de Estado ter deposto na Procuradoria-Geral da Ucrânia no âmbito da investigação sobre os distúrbios em Kiev nos anos 2013-1014.

    No sábado (19) de manhã, a mídia ucraniana, citando a Procuradoria-Geral do país, comunicou que no dia anterior Poroshenko tinha sido interrogado sobre vários episódios visados pela investigação aos confrontos em Kiev. Segundo dizem os jornalistas, o inquérito durou seis horas. Inicialmente, a Procuradoria planejava conduzir o interrogatório em 29 de novembro.

    "Na sexta-feira à noite, o presidente Pyotr Poroshenko depôs no âmbito da operação de investigação dos crimes em Maidan visando castigar os culpados", disse Tsegolko na sua página do Facebook.

    Segundo disse o chefe do Departamento de Investigações Especiais, Sergei Gorbatyuk, os procuradores conseguiram respostas a todas as perguntas que tinham planejado fazer.

    Anteriormente, a Procuradoria-Geral da Ucrânia divulgou as intimações para interrogação dos dirigentes mais altos do Estado em relação aos acontecimentos na Praça Maidan.

    Segundo o procurador-geral Yuri Lutsenko, além do presidente foi interrogado o líder do Partido Radical, Oleg Lyashko, o ex-premiê ucraniano Arseny Yatsenyuk, o ministro do Interior Arsen Avakov e o secretário do Conselho de Segurança e Defesa Nacional da Ucrânia, Aleksandr Turchinov. Antes do depoimento de Poroshenko, seu porta-voz comunicou que o presidente estava pronto para comparecer na procuradoria caso fosse convidado.

    A maior praça de Kiev, Maidan Nezalezhnosti ou Praça da Independência, foi ocupada pelos apoiadores da integração europeia em 21 de novembro de 2013, logo após a declaração pelo chefe do governo Nikolai Azarov do congelamento do acordo de associação com a UE. Mais tarde, a Maidan se tornou no epicentro da confrontação entre as forças de segurança e os radicais. Os confrontos, durante os quais a oposição usou repetidamente armas de fogo e coquetéis Molotov, resultaram em dezenas de vítimas tanto do lado da oposição como do governo.

    As novas autoridades ucranianas atribuíram a responsabilidade pela morte de mais de 100 pessoas ao seu rival político, o ex-presidente Viktor Yanukovich, e aos policiais da unidade especial ucraniana Berkut, que negam qualquer envolvimento nos crimes de assassínio. Yanukovich afirmou muitas vezes que nunca ordenou abrir fogo contra os manifestantes civis e até pediu para remover todos os policiais da Berkut da cidade.

    Mais:

    Poroshenko discursa com imagem provocatória para a Rússia em fundo
    Biden e Poroshenko insistem em manutenção das sanções antirrussas
    Poroshenko nega existência de acordos secretos com o Ocidente
    Tags:
    crise ucraniana, confrontos, conflito armado, crime, inquérito, interrogatório, Praça Maidan, Euromaidan, Berkut, Procuradoria Geral da República, Arseny Yatsenyuk, Viktor Yanukovich, Svyatoslav Tsegolko, Pyotr Poroshenko, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik