13:59 15 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Theresa May durante uma coletiva de imprensa na cúpula da União Europeia em 21 de outubro de 2016

    Com 'dedo no gatilho', premiê britânica insiste no divórcio da UE

    © AFP 2017/ STEPHANE DE SAKUTIN
    Europa
    URL curta
    Brexit: reações e consequências (121)
    673

    O divórcio parece ter sido adiado. Na quinta-feira (3), o Supremo Tribunal de Londres deliberou que o Reino Unido só pode sair da União Europeia se isso for autorizado pelo Parlamento.

    Agora, a primeira-ministra britânica Theresa May, que assumiu a liderança do país depois de David Cameron (que tinha prometido abandonar o cargo se o país votasse a favor do Brexit em referendo), tem que lidar até com menções de "traição" por parte de políticos da oposição.

    "O meu receio é que só tenhamos um Brexit pela metade. As autoridades vão tentar nos encerrar em um mercado único. Seria uma traição total!", disse Nigel Farage, líder do Partido de Independência do Reino Unido (UKIP) no seu Twitter.

    A palavra "traição" aparece também em outros tuítes seus, sempre acusando o governo.

    Um dos doadores da campanha do UKIP, o milionário Arron Banks, acusou o governo de "declarar guerra à democracia britânica".

    "Eles não conseguiram obter a resposta que desejavam, e agora eles vão usar qualquer trapaça suja para sabotar, adiar ou atenuar Brexit", disse Banks.

    Há críticas também dentro do próprio Partido Conservador da primeira-ministra. Um dos sinais foi a demissão, logo na sequência da decisão do Supremo, do deputado Stephen Phillips. Ele também tinha votado em Brexit. Na hora de se demitir, ele alegou "divergências políticas significativas" entre ele e o governo.

    Duplo discurso

    Ainda em outubro, o jornal britânico The Guardian divulgou uma gravação secreta da qual consta, segundo a edição, que a primeira-ministra mantém um "duplo discurso", se manifestando firmemente pró-Brexit em público, mas guardando outras ideias na sua bagagem.

    A gravação foi feita durante uma discussão com representantes da Goldman Sachs. Nela, Theresa May dizia aos investidores que, caso o país votasse pelo Brexit, o Reino Unido iria perder o interesse das empresas internacionais.

    "Eu penso que os argumentos econômicos são claros. Eu acho que é importante para nós sermos parte de um bloco comercial de 500 milhões de pessoas. Eu penso, como eu já disse um pouco antes, que um grande número de pessoas vai querer investir no Reino Unido por ser um Reino Unido dentro da Europa", disse ela, entre outras coisas.

    Downing Street

    No entanto, o gabinete da chefe do governo britânico insiste que ela até telefonou ao presidente da União Europeia, Jean-Claude Juncker, e à chanceler alemã, Angela Merkel, reiterando sua firmeza na saída do bloco em março de 2017.

    O gabinete de Theresa May diz também que ela "tem o dedo sobre o gatilho" do artigo 50 do Tratado de Lisboa, documento que prevê a hipótese de saída de um país da União Europeia.

    Tema:
    Brexit: reações e consequências (121)
    Tags:
    Brexit, Theresa May, União Europeia, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik