21:10 03 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    14153
    Nos siga no

    Alguns dos maiores bancos do Reino Unido estão se preparando para deixar o país no início de 2017, por medo das consequências das negociações sobre o Brexit. Ao mesmo tempo, as entidades menores têm intenção de sair desse país antes do Natal.

    "Para os bancos, o Brexit não significa só tarifas adicionais ao comércio, como também acontecerá com outros setores. Isso tem a ver com os bancos terem ou não o direito legal de prestar serviços", disse Anthony Browne, executivo-chefe da Associação de Banqueiros Britânicos (BBA, na sigla em inglês).

    "Quanto às empresas, elas não podem esperar até o último minuto. Os bancos podem esperar pelo melhor, mas eles têm de planejar o pior cenário. A maioria dos bancos internacionais têm agora equipes de projeto decidindo quais operações devem ser transferidas para outros países para garantir que eles possam continuar servindo os clientes, quando isso deve acontecer e qual é a melhor maneira de fazê-lo", explicou o especialista.

    Entretanto, Browne disse que "o debate público e político agora está nos levando na direção errada".

    Especificamente, o presidente da BBA não entende os políticos que parecem dispostos a quebrar o mercado financeiro integrado na UE que "torna mais fácil e mais barato para os agricultores franceses, fabricantes alemães ou designers de moda italiana obter financiamento".

    A primeira-ministra do país Theresa May tinha dito que ia invocar o artigo 50 do Tratado de Lisboa antes do final de março do próximo ano.

    Várias empresas, como HSBC e Goldman Sachs, têm recentemente anunciado que vão transferir uma parte de seus escritórios para outros países.

    Mais:

    Flerte com britânicos não impede namoro do Brasil com europeus
    UE-Mercosul: barco encalhado há 17 anos dá sinais de se mover
    Tags:
    banco, sistema financeiro, Brexit, Grã-Bretanha
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar