04:04 10 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Soldados norte-americanos durante exercícios em Grafenwoehr, sul da Alemanha, maio de 2016

    Reforço de presença militar dos EUA na Alemanha parece 'ocupação'

    © AFP 2018 / CHRISTOF STACHE
    Europa
    URL curta
    3117

    Os EUA planejam implantar mais 2.000 soldados em suas bases militares de Katterbach e Illesheim, na Alemanha, para reforçar a sua presença na Europa, informou o jornal alemão Nordbayern.

    Os críticos já atacaram a iniciativa, acusando os EUA de terem "uma mentalidade de ocupação".

    Apesar de certas dificuldades financeiras, os EUA querem manter a sua presença na Europa com a ajuda das chamadas "unidades de rotação", que irão se revezar todos os 9 meses, afirmou o jornal.

    Atualmente, o total de soldados norte-americanos nas duas bases é de 1.000. Cerca de outros 2.000 efetivos devem ser enviados no próximo ano. Entretanto, o plano ainda não foi oficialmente aprovado.

    O plano prevê também o aumento do equipamento militar das bases. Mais tarde, os EUA transferirão o número correspondente de helicópteros para a Alemanha, disse Nordbayern.

    "Como acontece em qualquer ocupação real, o país ocupado pagará por isso. Yankees, go home!", comentou um dos leitores do jornal, Pepsi Max.

    Espera-se que as "unidades de rotação" apoiem as tropas da OTAN e participem em exercícios conjuntos, por exemplo, nos países bálticos, na Bulgária ou na Romênia.

    Vale lembrar que, na cúpula em Varsóvia de 8 de julho, a Aliança aprovou a ideia de instalar unidades adicionais multinacionais na Polônia e nos países bálticos por causa de alegada "ameaça russa". O reforço militar perto de fronteiras russas tem sido criticado repetidamente por Moscou como uma grave ameaça à sua segurança nacional.

    Mais:

    Japão exige parar voos dos EUA a partir de base no território japonês
    EUA tentam ocultar seus planos de 'presença permanente próximo à fronteira russa'
    Tags:
    tropas, ameaça, ocupação, militares russos, reforço, Alemanha, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik