03:35 21 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Bandeiras no Parlamento Europeu em Estrasburgo, França

    Parlamentar europeu: UE deve desistir das absurdas sanções contra Rússia

    © AP Photo/ Christian Lutz
    Europa
    URL curta
    21174182

    A União Europeia deve anular as sanções antirussas, anunciou o parlamentar europeu Fabio Massimo ao jornal russo Izvestia.

    Segundo ele, "a UE deve renunciar às absurdas sanções antirussas que não só são inúteis do ponto de vista político, mas também prejudicam exportações italianas."

    Ao falar disso, Massimo estava se referindo às indústrias pesqueira, têxtil e automobilística.

    Ao mesmo tempo, o parlamentar ressaltou que "a União Europeia e a Rússia precisam cooperar de maneira construtiva levando em consideração os interesses dos seus cidadãos."

    Segundo o deputado francês Thierry Mariani, a França também se opõe às medidas restritivas em relação à Rússia.

    "Sendo que a Suprema Rada (da Ucrânia) não realizou nenhuma reforma prevista pelos Acordos de Minsk, somos a favor da anulação das sanções", destacou.

    Ainda segundo Mariani, tal curso político não permitirá solucionar a crise na Ucrânia.

    Ele opina que a prática dos acordos acima mencionados "não só depende da Rússia, como também da Ucrânia que, pelo que estamos evidenciando, não está cumprindo seus compromissos."

    É de frisar que as relações entre a Rússia e o Ocidente se encontram em uma crise profunda que foi causada pelo conflito armado no leste ucraniano e pela reintegração da Crimeia com a Rússia após o referendo realizado em março de 2014. Em resposta, a Rússia adotou sanções restritivas aos produtos dos países ocidentais.

    Mais:

    Fonte: UE quer prorrogar sanções contra a Rússia sem discussão
    Países Baixos podem sair da UE para levantar sanções contra Rússia
    Tags:
    crise ucraniana, conflito armado, referendo, Acordos de Minsk, sanções, Suprema Rada, Izvestia, União Europeia, Thierry Mariani, Crimeia, França, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik