15:33 23 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Presidente do COI sobre esporte russo

    Senador russo exige demissão do presidente do COI

    © Sputnik / Ramil Sitdikov
    Esportes
    URL curta
    COI deixa Olimpíada sem Rússia (16)
    371

    O presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, deve resignar depois de ter afirmado que o Tribunal de Arbitragem Esportivo (TAS) rejeitou as apelações de 47 esportistas russos sob pressão do COI, opina o senador russo Vladimir Dzhabarov.

    "A recusa do COI de autorizar o acesso de atletas inocentes da Rússia é vergonhosa, semeia divisão no movimento olímpico", destacou o primeiro vice-presidente da Comissão de Assuntos Externos do Conselho da Federação Russa, Vladimir Dzhabarov.

    O senador russo qualificou a decisão do TAS como "política" e afirmou que "é resultado das pressões por parte do COI", cujo presidente, Thomas Bach, havia "ameaçado reformar o tribunal".

    "Bach deve resignar, o COI que ele chefia também toma decisões sob uma forte pressão política, e, se ele é incapaz de opor resistência, não deve liderar esta organização", sublinhou.

    Segundo afirmou o senador, a Rússia vai continuar exigindo a reforma do COI.

    Mais cedo, na sexta-feira (9), o TAS rejeitou as demandas de 32 cidadãos russos que não foram convidados para os Jogos Olímpicos de Inverno em Pyeongchang, bem como as de 13 esportistas russos e dois treinadores que foram afastados de todas as competições olímpicas pelo COI, mas posteriormente haviam sido absolvidos pelo TAS.

    Tema:
    COI deixa Olimpíada sem Rússia (16)

    Mais:

    COI recusa convidar 15 atletas russos absolvidos para Jogos Olímpicos de 2018
    Declaração do COI sobre a Rússia é política, diz parlamentar
    Senado russo defende reforma do COI e WADA
    COI se recusa a explicar por que não convidou atletas russos 'limpos' às Olimpíadas
    Tags:
    atletas russos, recusa, demissão, Jogos Olímpicos de Pyeongchang em 2018, TAS, COI, Thomas Bach, Vladimir Dzhabarov, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar