Sérgio Moro, juiz da 13.ª Vara Criminal Federal de Curitiba

Moro diz sim e será ministro da Justiça de Jair Bolsonaro, afirma jornal

José Cruz/Agência Brasil
Eleições 2018
URL curta
372124

O juiz federal Sérgio Moro aceitou o convite do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) e será ministro da Justiça no próximo ano, informou o jornal O Estado de S. Paulo na manhã desta quinta-feira.

De acordo com a publicação, o magistrado responsável pela Operação Lava Jato iria divulgar nas próximas horas os termos da proposta feita por Bolsonaro, e aceita por ele, o que aconteceu cerca de 40 minutos após o fim do encontro (leia a íntegra do comunicado de Moro ao final da matéria). Mais tarde, o próprio presidente eleito confirmou a notícia.

Moro desembarcou no Rio de Janeiro no início da manhã, vindo de Curitiba em um voo de carreira e sem seguranças. Por volta das 9h ele chegou à casa de Bolsonaro, na Barra da Tijuca, e o encontro durou cerca de 1h30.

O juiz federal não falou com a imprensa na saída do encontro com Bolsonaro. Mais cedo, em entrevista ao G1, Moro disse que havia uma chance de aceitar o convite do presidente eleito, mas que tudo dependeria da convergência de ideias.

"Se houver a possibilidade de uma implementação dessa agenda, convergência de ideias, como isso ser feito, então há uma possibilidade. Mas como disse, é tudo muito prematuro", declarou o juiz federal, durante o voo entre Curitiba e o Rio.

A possibilidade de implementar uma ampla agenda anticorrupção, com um superministério e a ampliação de órgãos de combate à corrupção, como a Polícia Federal, seriam algumas das sinalizações de Bolsonaro que convenceram Moro a assumir o posto, segundo o jornal.

Assim que confirmado, o juiz federal será o quinto ministro definido para o quadro ministerial de Bolsonaro. O ex-capitão do Exército já confirmou os ministros Paulo Guedes (Ministério da Economia), Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Alberto Heleno (Defesa) e Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia).

A princípio, os processos que estavam com Moro serão assumidos pela juíza substituta Gabriela Hardt. Contudo, conforme informado pelo jornal O Globo, um processo para uma reconfiguração da 13ª Vara Federal de Curitiba terá início, e pode marcar o fim da Lava Jato em Curitiba.

Nova opinião e olho no STF

Em uma reunião da Comissão Especial da Câmara dos Deputados que discutia medidas de combate à corrupção, em agosto de 2016, Moro descartou qualquer chance de deixar a magistratura e, à época, concorrer para algum cargo político.

"Nenhuma chance. Sou juiz profissional, minha carreira é da magistratura e não pretendo sair", declarou o juiz federal, ainda no calor do processo de impeachment da então presidente Dilma Rousseff (PT).

Em outubro de 2017, Moro voltou a negar qualquer chance de ser candidato à Presidência da República em uma entrevista à Globonews, indicando que pretendia seguir a sua trajetória no Judiciário.

Contudo, ele se negou a descartar a possibilidade de assumir um cargo em um eventual governo do presidenciável Álvaro Dias (Podemos), que afirmava que o convidaria para assumir o Ministério da Justiça, caso fosse eleito.

Ventilada agora por Bolsonaro, a decisão de Moro de deixar a carreira e assumir um posto no novo governo poderia ter alguma ligação com uma das 2 vagas que se abrirão no Supremo Tribunal Federal (STF) ao longo dos 4 anos da era Bolsonaro no Palácio do Planalto.

O mais recente ministro do Supremo, Alexandre de Moraes, era ministro da Justiça do presidente Michel Temer (MDB) antes de ser indicado à cadeira que pertencia ao ministro Teori Zavascki, morto em um acidente aéreo.

Leia a nota oficial de Sérgio Moro:

Fui convidado pelo Sr. Presidente eleito para ser nomeado Ministro da Justiça e da Segurança Pública na próxima gestão. Após reunião pessoal, na qual foram discutidas políticas para a pasta, aceitei o honrado convite. Fiz com certo pesar, pois terei que abandonar 22 anos de magistratura. No entanto, a perspectiva de implementar uma forte agenda anticorrupção e anticrime organizado, com respeito à Constituição, à lei e aos direitos, levaram-me a tomar esta decisão. Na prática, significa consolidar os avanços contra o crime e a corrupção dos últimos anos e afastar riscos de retrocessos por um bem maior. A Operação Lava Jato seguirá em Curitiba com os valorosos juízes locais. De todo modo, para evitar controvérsias desnecessárias, devo desde logo afastar-me de novas audiências. Na próxima semana, concederei entrevista coletiva com maiores detalhes. Curitiba, 01 de novembro de 2018.

Sergio Fernando Moro

Mais:

Moro diz que não descarta participar do governo Bolsonaro
Em entrevista, Bolsonaro diz que indicará Moro para o STF ou Ministério da Justiça
Delação de Palocci vazada por Moro 'não tem valor jurídico', diz especialista
Tags:
Operação Lava Jato, política, Ministério da Justiça, Gabriela Hardt, Jair Bolsonaro, Sérgio Moro, Rio de Janeiro, Brasil
Padrões da comunidadeDiscussão
Comentar no FacebookComentar na Sputnik