21:23 23 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    263
    Nos siga no

    O Saara Ocidental continua sendo causa de tensões entre a Argélia e Marrocos, uma vez que Rabat se opõe de modo veemente ao apoio de Argel à Frente Polisário, um movimento que busca a independência do Saara Ocidental do Marrocos.

    Como resultado, o mercado europeu do gás poderá enfrentar "maior tensão" em um futuro próximo, em meio à disputa entre Argélia e Marrocos, segundo o Financial Times.

    Rabat, que cortou os laços com Argel no mês passado, considera o Saara Ocidental a "província do sul" do Marrocos, advertindo contra qualquer ação que veja como uma ameaça à sua integridade territorial.

    No final de outubro, a Argélia planeja encerrar um gasoduto-chave que fornece gás argelino ao Marrocos, Espanha e Portugal, também como parte de sua disputa com o reino do norte da África.

    As tensões entre as duas nações africanas vêm aumentando desde o início da semana, quando o Tribunal de Justiça da União Europeia anulou a aprovação de acordos agrícolas e de pesca que permitiriam ao Marrocos exportar mercadorias do Saara Ocidental.

    Em sua decisão, o supremo tribunal da UE apontou uma deliberação datada de 2016, que havia dito que um acordo comercial só poderia incluir produtos do Saara Ocidental se o povo do território consentisse e se beneficiasse com isso.

    Enquanto isso, os preços de futuros do gás natural na Europa bateram um novo recorde na sexta-feira (1º), subindo para quase US$ 1.200 (cerca de R$ 6.439) por mil metros cúbicos, levando os governos a emitirem subsídios de emergência para tentar proteger os consumidores de faturas mais altas.

    Mais:

    Superioridade aérea no Magreb: como a Argélia fortaleceu sua Força Aérea?
    União Europeia revela plano para reduzir dependência de gás russo
    Gás para mais pobres: Petrobras não deve fazer política pública, é tarefa do governo, diz professor
    Tags:
    Argélia, Marrocos, gás, Saara Ocidental, disputa, União Europeia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar