00:51 24 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    14652
    Nos siga no

    A União Econômica Eurasiática (UEE) pretende começar a usar suas moedas no comércio em oposição às atuais dominantes, o dólar e o euro.

    A decisão foi tomada em um fórum virtual na segunda-feira (26), dedicado a integrar os cinco Estados-membros da UEE: Armênia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Rússia, na principal iniciativa de política externa da China - Um Cinturão, Uma Rota. Esses países e a China pretendem excluir a predominância do dólar e do euro no contexto vigente.

    Fundada em 2010, a UEE tem trabalhado ativamente para uma relação mais estreita com a Ásia, especialmente com Pequim.

    "Para evitar os riscos crescentes, devemos mudar para as moedas nacionais", afirmou o ministro de Integração e Macroeconomia da Comissão Econômica Eurasiática, Sergei Glaziev. "Este trabalho está em curso e estamos aumentando de forma consistente a parte dos pagamentos em moedas nacionais, tanto na UEE como no exterior, embora continue modesta. Por exemplo, apenas metade dos pagamentos na UEE são feitos em moedas nacionais e, com a China, a parcela dos pagamentos em rublos e yuanes é ainda menor – 15%."

    Mulher passa em frente de imagens de dólares e da moeda chinesa
    © AP Photo / Kin Cheung
    Mulher passa em frente de imagens de dólares e da moeda chinesa
    De acordo com Glaziev, o afastamento das duas moedas mais utilizadas do mundo não significa "separação política", mas, sim, proteção das economias dos países-membros da UEE de uma situação sobre a qual eles não têm controle.

    No primeiro trimestre de 2020, o comércio entre a Rússia e a China em dólares caiu de 50% para 46% pela primeira vez, tendo uma queda significativa de 75% desde 2018. Contudo, apesar das tentativas de afastamento do dólar (e do euro), as moedas estrangeiras ainda dominam o comércio entre as duas potências.

    O papel reduzido do dólar no comércio internacional pode ser atribuído principalmente à guerra comercial em curso entre os EUA e a China. O afastamento de Pequim de Washington também coincidiu com a política de desdolarização do Kremlin, que começou em 2014 como resultado da imposição de sanções a Moscou  pelo Ocidente, devido à reunificação da Crimeia com a Rússia.

    Viktor Dostov, presidente da Associação Russa de Dinheiro Eletrônico, explicou na conferência virtual como o uso do dólar acarreta custos extras para os membros da UEE:

    "Agora, se eu quiser transferir dinheiro da Rússia para o Cazaquistão, o pagamento é feito em dólar. Primeiro, o banco ou sistema de pagamento transfere meus rublos para dólares e depois os transfere de dólares para o tenge cazaque", explicou Dostov. "Há uma dupla conversão, com uma alta porcentagem tomada como comissão."

    Em agosto, o analista russo Aleksei Maslov disse à revista japonesa Nikkei Asian Review que o afastamento de Moscou e Pequim do dólar americano pode resultar na criação de uma "aliança financeira" entre as duas nações.

    Partilhando fronteira terrestre com a China, o imperativo do bloco econômico de se mover em direção às moedas nacionais no comércio internacional é ainda mais forte.

    Mais:

    Eventual governo Biden exigirá 'ajuste' de Bolsonaro por vaga na OCDE, diz cientista político
    'A Rússia fez concessões muito sérias' para salvar acordo nuclear com EUA, diz especialista
    Na ONU, Putin exalta esforço pela estabilidade global e empenho da Rússia na luta contra a COVID-19
    Tags:
    Dólar, Euro, economia, aliança, Eurásia, China, Rússia, União Econômica Eurasiática (EEU)
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar