21:22 19 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    0 60
    Nos siga no

    Reabertura das fronteiras entre Brasil e Paraguai não tem muito impacto em termos nacionais, mas é importante para o chamado "comércio de formiga" nas cidades, disse especialista à Sputnik Brasil.

    Na quarta-feira (14), portaria da Casa Civil que autoriza a reabertura foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União. A medida vinha sendo negociada há meses entre o Brasil e o governo do país vizinho, que resistia à iniciativa pelo risco da importação do coronavírus para dentro de seu território.

    Para Francisco Américo Cassano, professor de relações e negócios internacionais na Universidade Presbiteriana Mackenzie, a medida não gera muito impacto para as contas externas dos dois países ou para o Mercosul, mas é muito importante para as cidades na fronteira

    "O comércio de fronteira é denominado comércio de formiga, ou seja, ele é muito dinâmico para os habitantes das cidades fronteiriças, mas pouco contribuiu com o volume total dos países", disse o doutor em ciências sociais e relações internacionais. 

    A reabertura será efetuada em três postos fronteiriços: entre Foz do Iguaçu, no Paraná, e Ciudad del Este; entre Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul, e Pedro Juan Caballero; e entre Mundo Novo, no Mato Grosso do Sul, e Saltos del Guaira. 

    "[A medida] Dará mais tranquilidade às populações de fronteiras que dependem desse comércio", acrescentou Cassano. 

    Revitalizar 'turismo de compras'

    Denilde Holzhacker, professora de relações internacionais da Escola Superior de Propaganda e Marketing de São Paulo (ESPM/SP), também ressalta a importância da medida para a população das cidades localizadas entre Brasil e Paraguai. Segundo ela, a reabertura será muito importante para reativar o turismo de compras.

    "Para o caso brasileiro é bastante importante a dinamização do turismo de compras na fronteira. O fluxo não é só para a área de comércio, mas para a área de serviços do lado brasileiro, que estava absolutamente parada na fronteira com o Paraguai", disse à Sputnik Brasil. 

    Além disso, Holzhacker afirma que a decisão compensa, de certa maneira, a paralisação das trocas entre Brasil e Argentina nas fronteiras em virtude das medidas sanitárias contra a COVID-19.

    Pressão de grupos econômicos

    A especialista diz ainda que, embora a desaceleração do contágio do coronavírus no território brasileiro tenha encorajado as autoridades paraguaias a aceitar a reabertura, a pressão de grupos comerciais e prefeitos foi levada em consideração nas negociações para o restabelecimento do fluxo entre os dois países. 

    "A pressão dos setores econômicos, dos prefeitos de ambos os lados e do comércio local foi um fator para a decisão do governo paraguaio em fazer uma abertura e permitir o comércio do lado paraguaio", disse Holzhacker. 

    Por outro lado, a especialista afirma que é "importante colocar a ressalva de que todas as medidas de segurança e sanitárias têm que ser adotadas tanto do lado brasileiro quanto paraguaio", como estabelece a portaria publicada pelo governo do Brasil.

    Mais:

    Ronaldinho Gaúcho deixa o Paraguai e volta ao Brasil em voo particular
    Ex-vice-presidente do Paraguai é sequestrado e governo vê 'forte conotação política' no crime
    Paraguai confirma reabertura da Ponte da Amizade na fronteira com o Brasil
    Tags:
    Argentina, Mercosul, fronteira, comércio, Paraguai, Brasil, COVID-19, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar