04:09 04 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    3341
    Nos siga no

    O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, mencionou que a ação de Washington foi profundamente prejudicial para as relações bilaterais.

    A China afirmou que tomará "medidas recíprocas" contra os EUA em resposta às sanções impostas contra quatro políticos chineses e uma entidade governamental, argumentando "graves abusos de direitos" da etnia uigur na região de Xinjiang, no noroeste do país asiático.

    O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, mencionou que com a ação Washington cometeu uma grave interferência nos assuntos nacionais que foi profundamente prejudicial para as relações bilaterais, informa a Reuters.

    As medidas punitivas afetam o secretário regional do Partido Comunista, Chen Quangu, além de Zhu Hailun, ex-subsecretário regional do partido, Wang Mingshan, diretor e secretário do Partido Comunista do Escritório de Segurança Pública de Xinjiang, e Huo Liujun, ex-secretário do escritório, assim como o próprio Escritório de Segurança Pública de Xinjiang.

    Segundo o Departamento do Tesouro dos EUA, a entidade e os funcionário estariam relacionados com um caso que, supostamente, incluiria "a detenção arbitraria massiva e o abuso físico severo" de uma minoria étnica.

    As sanções foram impostas em virtude da Lei Global Magnitsky, que permite ao governo norte-americano sancionar a todos os que cometam violações de direitos humanos no mundo mediante congelamento de qualquer ativo nos EUA, restrições de viagens e proibições relacionadas a negócios com eles.

    Mais:

    EUA sancionam hoje 'Irã e Venezuela' e amanhã 'China, Rússia e Alemanha', afirma parlamentar
    China envia caças Su-30 às proximidades de Taiwan em resposta à presença dos EUA
    Marinha dos EUA 'perde' míssil furtivo enquanto tenta demonstrar força à China, segundo mídia
    Tags:
    políticos, sanções, economia, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar