16:21 02 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    Mundo enfrentando pandemia no fim de maio (69)
    0 20
    Nos siga no

    O conselho executivo da companhia de aviação Lufthansa concordou neste sábado (30) com o pacote de resgate de US$ 10 bilhões (R$ 53,3 bilhões) estabelecido entre a Alemanha e a Comissão Europeia, órgão da União Europeia (UE).

    Com o impacto do coronavírus e das medidas de distanciamento social, companhias aéreas de todo o mundo registraram quedas vertiginosas no número de passageiros. 

    "O Conselho Executivo da Lufthansa decidiu aceitar os compromissos oferecidos pela Alemanha à Comissão da União Europeia para o pacote de estabilização negociado com o Fundo de Estabilização Econômica da República Federal da Alemanha", afirmou a empresa em comunicado.

    Como parte do acordo e para abrir mais espaço para a concorrência, a Lufthansa deverá remover quatro aeronaves dos aeroportos de Frankfurt e Munique, perder três direitos de decolagem e três de pouso por aeronave e por dia. Essas faixas horárias de decolagem e pouso (slots) serão leiloadas para novos concorrentes. Se nenhum comprador for encontrado, o processo de licitação será estendido aos concorrentes existentes.

    O Conselho de Supervisão da Lufthansa agora precisa aprovar o pacote de resgate. Uma Assembleia Geral Extraordinária também será realizada em um futuro próximo para garantir a aprovação dos acionistas da companhia aérea.

    Tema:
    Mundo enfrentando pandemia no fim de maio (69)

    Mais:

    Analista: economia brasileira não tem como se beneficiar de crise da COVID-19
    ONU alerta para crise global de saúde mental em meio à pandemia de COVID-19
    Instabilidade e falta de liderança podem agravar crise no Brasil, diz economista
    Crise econômica e coronavírus devem acelerar revisão de concessões de aeroportos, diz analista
    Economia dos EUA está em queda livre e crise é inevitável, advertem especialistas
    Tags:
    Crise, Alemanha, COVID-19, economia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar