03:06 24 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    953
    Nos siga no

    O Banco Central (BC) diminuiu de de 4,5% para 4,25% a taxa de juros básicos (Selic), que atingiu assim o menor patamar desde 1999, mas sinalizou que após cinco quedas consecutivas o ciclo de cortes terminou. 

    A decisão foi tomada nesta quarta-feira (5) de forma unânime pelo Comitê de Política Monetária do BC, que mencionou a busca por uma "recuperação gradual" da economia. 

    O corte de 0,25% foi menor do que os quatro anteriores, quando a Selic desceu 0,5 ponto.

    O governo prevê um crescimento da economia de 2,4% para 2020, o dobro da estimativa para 2019 - o resultado oficial do ano não saiu. 

    No entanto, na terça-feira (4) foi divulgado que a produção industrial brasileira teve queda de 1,1% em 2019. 

    "O Copom entende que o atual estágio do ciclo econômico recomenda cautela na condução da política monetária. Considerando os efeitos defasados do ciclo de afrouxamento iniciado em julho de 2019, o Comitê vê como adequada a interrupção do processo de flexibilização monetária. O Comitê enfatiza que seus próximos passos continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação, com peso crescente para o ano-calendário de 2021", informou a autoridade monetária por meio de nota. 

    Menor patamar desde início de regime de metas para inflação

    A taxa de juros no Brasil hoje é a menor desde a implementação do regime de metas para inflação, em 1999.

    A baixa atividade econômica, consumo reduzido e pouco risco inflacionários explicam os mínimos históricos. 

    Puxada pela alta da carne, a inflação no Brasil encerrou 2019 em 4,31%, resultado acima do centro da meta do governo, de 4,25%, mas dentro da margem de tolerância de 1,5 ponto percentual.  

    A meta para 2020 é de inflação de 4%, com  com tolerância de 1,5 ponto para cima ou para baixo. 

    Mais:

    Este país terá o maior crescimento econômico na América Latina em 2020, prevê FMI
    Sindicalista: demissão de empregados da Petrobras no Paraná é 'balão de ensaio' para o resto do país
    Bolsonaro 'culpa' governadores por preço dos combustíveis e promete alterar o ICMS
    Bolsonaro enfrentará 'ano difícil' no Congresso e vai precisar de Rodrigo Maia, dizem especialistas
    Tags:
    PIB, recessão, economia, governo, inflação, Selic, Copom, juros
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar