10:03 08 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    4103
    Nos siga no

    A região da Valônia, no sul da Bélgica, que bloqueou brevemente um acordo comercial entre a União Europeia e o Canadá em 2016, é "totalmente" contra o acordo entre o bloco europeu e o Mercosul.

    O chefe de governo da região de língua francesa, Elio Di Rupo, disse à emissora RTBF nesta segunda-feira (20) que, no depender da posição da Valônia, o acordo em seu estado atual não deve ser aprovado. 

    O acordo UE-Mercosul visa permitir o livre comércio entre a Europa e quatro países da América do Sul. Os gigantes agrícolas Brasil e Argentina e seus vizinhos menores, Paraguai e Uruguai.

    É o maior acordo comercial que o bloco europeu já negociou, afirma a agência de notícias AFP.

    Todavia, ele enfrenta resistência de grupos agrícolas e ambientais europeus. A França ameaçou no ano passado bloquear a ratificação por causa da suposta inação do Brasil para conter os incêndios que assolam a Amazônia.

    Di Rupo, que já foi primeiro-ministro da Bélgica, disse temer os efeitos do acordo comercial sobre a agricultura na Valônia. Ele também exigiu que o Mercosul aplique os padrões de saúde do bloco europeu.

    Para que o acordo entre União Europeia e Mercosul seja concretizado, ele precisa ser ratificado em todo bloco europeu, inclusive pelas quatro regiões que compõem a Bélgica.

    Mais:

    'Incerto', futuro do Mercosul depende de Bolsonaro e Fernández, diz professor
    'Irmandade': Fernández faz aceno a Bolsonaro e fala em fortalecer o Mercosul
    Mercosul-UE: especialista destaca importância do meio ambiente em acordos econômicos
    Relação ruim entre Bolsonaro e Fernández pode levar à saída do Brasil do Mercosul, diz especialista
    Tags:
    Mercosul, União Europeia, Bélgica
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar