07:42 12 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    O Fundo Monetário Internacional (FMI)

    FMI não confirma acusação dos EUA à China sobre 'manipulação da moeda'

    © AP Photo / Itsuo Inouye
    Economia
    URL curta
    4140
    Nos siga no

    O Departamento do Tesouro dos EUA acusou a China de "manipulação" a sua moeda, após o yuan cair drasticamente em relação ao dólar em meio à escalada da guerra comercial entre Washington e Pequim.

    Em uma revisão anual das políticas econômicas da China, divulgada na sexta-feira (9), o Fundo Monetário Internacional (FMI) manteve sua avaliação de que o valor do yuan tem estado "amplamente alinhado" com os fundamentos econômicos, questionando assim a declaração da administração Trump de que Pequim estaria manipulando a sua moeda para ganhar "vantagem competitiva injusta no comércio internacional".

    O FMI disse no documento que a China tomou medidas para reforçar a sua moeda após esta ter caído entre meados de junho e início de agosto de 2018.

    Em geral, a moeda chinesa "ficou praticamente estável" no ano passado, tendo o seu valor diminuído em 2,5 por cento em relação a uma cesta de moedas estrangeiras.

    Análise do FMI

    James Daniel, chefe da missão do FMI para a China, disse aos repórteres que o pessoal do Fundo concluiu que o valor do yuan em 2018 esteve "em linha com os fundamentos de médio prazo e as políticas desejáveis, ou seja, não significativamente sobrevalorizado ou subvalorizado".

    A análise do FMI foi tornada pública a 9 de agosto - apenas quatro dias depois de o Departamento do Tesouro dos EUA ter rotulado a China de "manipuladora de moeda", numa declaração que irá provavelmente intensificar as tensões já existentes entre Pequim e Washington.

    Foi também anunciado que o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, iria colaborar com o FMI para "eliminar a vantagem competitiva injusta criada pelas últimas ações da China".

    A decisão veio pouco depois de o Banco Popular da China ter permitido que taxa de câmbio ultrapassasse os 7 yuans por dólar pela primeira vez em 11 anos, causando a queda dos mercados financeiros.

    Posição de Donald Trump

    O Banco Popular da China explicou que a desvalorização foi desencadeada por "medidas de unilateralismo e protecionismo comercial e pela imposição de aumentos tarifários à China".

    Já o presidente dos EUA, Donald Trump, disse que não desvalorizaria o dólar em meio à guerra comercial em curso com Pequim, embora tenha publicado um tweet em 8 de agosto dizendo que não tinha "entusiasmo com um dólar muito forte".

    No dia seguinte, disse numa conferência de imprensa na Casa Branca que "não temos de" desvalorizar a moeda americana uma vez que "temos um dólar tão forte".

    "O problema é que o nosso dólar está a um nível que torna isso difícil. Mas a vantagem de fazer o que temos é que o dinheiro está a entrar porque temos a moeda mais segura do mundo. Temos o padrão do mundo. Mas porque é tão forte, ficou tão forte porque outros países têm problemas. Torna as coisas mais difíceis para os nossos produtores" indicou.

    Tensões comerciais

    A desvalorização acentuada do yuan seguiu-se ao anúncio de Trump de que ele iria impor uma tarifa de 10% sobre mais US$ 300 bilhões em produtos chineses a partir de 1º de setembro. Ele já havia aplicado um imposto de 25% sobre mercadorias chinesas no valor de US$ 250 bilhões.

    No relatório, o FMI também observou que, se Trump tivesse introduzido tarifas de 25 por cento sobre US$ 300 bilhões em importações chinesas, isso teria reduzido o crescimento de Pequim em cerca de 0,8 pontos percentuais nos 12 meses seguintes.

    Mais:

    China insta a Rússia a aumentar utilização de moeda local em trocas comerciais
    Pequim: China lutará 'até o fim' se EUA querem escalar conflito comercial
    China pode desafiar hegemonia do dólar globalizando yuan, diz economista
    Tags:
    EUA, valor, yuan, FMI, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar