06:28 12 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Barras de ouro e notas de dólar dos EUA são retratados dentro de cofre em um banco em Viena, Áustria, 21 de julho de 2009

    Dias contados: dólar deve cair 30% devido ao 'triplo déficit dos EUA'

    © REUTERS / FW1F/Lisa Shumaker
    Economia
    URL curta
    29622

    Em poucos dias, a moeda norte-americana caiu drasticamente. Embora financistas considerem tais flutuações aceitáveis, alertam que, até o final de 2019, o dólar entrará em uma trajetória de queda e por muitos anos.

    O investidor americano Ray Dalio acredita que a cotação do dólar colapsará em 30% devido ao "triplo déficit dos EUA", que acabará levando ao inevitável: o dólar perderá seu status de moeda de reserva global.

    Desde o final de 2017, o Sistema de Reserva Federal dos EUA (Fed, na sigla em inglês) reforçou a política monetária, aumentando as taxas de juros e, somente nesse ano, repetiu esse processo três vezes. Isso colocou as empresas em uma situação difícil. O presidente americano, Donald Trump, criticou a estratégia do regulador, cuja lógica é acabar com as medidas de estímulo, afirmando que o Fed se tornou uma ameaça para a economia do país.

    O mercado imobiliário já respondeu às ações do Fed com abrandamento, tendo os preços da habitação ultrapassado os níveis que precederam a crise de 2008.

    Anos de depressão

    Para os analistas da empresa líder global de serviços financeiros, JPMorgan Chase, a queda começará no final do próximo ano e a moeda norte-americana não poderá reverter a tendência de baixa, pois esta durará por vários anos. Desse modo, o esfriamento da economia norte-americana levará a uma pausa no ciclo de elevação das taxas do Fed no segundo semestre de 2019.

    "No final, nos depararemos com a queda do dólar por muitos anos. No segundo semestre do ano que vem, se o Fed realmente fizer uma pausa, se a economia desacelerar e o resto do mundo se estabilizar, vamos testemunhar um declínio na moeda norte-americana", disse à Blooomberg a analista Morgan Gabriela Santos.

    Segundo o bilionário Ray Dalio, o dólar entrará em colapso devido a um novo aumento do "triplo déficit": o déficit orçamentário, da balança comercial e da conta corrente.

    Essa tripla carência financeira dos EUA não será atrativa para os compradores estrangeiros de títulos do Tesouro, o que causará um aumento explosivo de sua rentabilidade e uma drástica queda do dólar em 30%, perdendo dessa forma o status de moeda de reserva mundial. O investidor assegura que este cenário seria o "pior pesadelo" para os Estados Unidos.

    "O papel do dólar se reduzirá, os detentores de títulos de dívida americana sofrerão. Veremos como as outras moedas entrarão em cena", disse ele.

    Ouro, não dólares

    O poder da moderna tecnologia financeira está destruindo os "efeitos de rede" que criaram o natural monopólio da moeda, indica o economista americano e professor da Universidade da Califórnia em Berkeley, Barry Eichengreen, que também acredita que os dias do dólar estão contados.

    O ouro será um dos instrumentos mais confiáveis para cobrir os riscos cambiais e políticos, de acordo com Dalio, pois se houver um colapso do sistema do dólar (originado principalmente pela dívida), o metal precioso definitivamente não irá depreciar. Sendo usado como instrumento de pagamento no comércio mundial, o ouro reduz a dependência de qualquer moeda.

    É por essa razão que a Rússia prefere cada vez mais barras de ouro a dólares, tendo suas reservas deste metal precioso atingido um nível recorde, enquanto a parcela de títulos do Tesouro nas reservas internacionais do Banco Central russo quase desapareceu.

    "É por isso que países como Rússia e China estão acumulando ouro — eles sabem o que pode acontecer em poucos anos", afirmou Keith Neumeyer, presidente do Conselho de Administração da First Mining Gold.

    Mais:

    Jornal americano destaca sucesso da Rússia na redução da dependência do dólar
    Será que Rússia conseguirá enfraquecer hegemonia do dólar?
    Impérios contra-atacam: Rússia, Índia e China abandonam o dólar
    Golpe no dólar: Irã e Coreia do Sul acordam comércio em suas moedas nacionais
    Tags:
    déficit comercial, dólar, moeda de reserva, desvalorização, status, ouro, crise, queda, FED, Departamento de Tesouro dos EUA, China, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik