16:43 16 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    O dólar (moeda dos EUA) e a bandeira estadunidense

    Bloomberg relata fim da 'tirania' do dólar

    CC0 / Pixabay
    Economia
    URL curta
    12290

    O protagonismo do dólar está entrando em processo de queda e líderes mundiais buscam alternativas à moeda norte-americana, reporta a Bloomberg.

    Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, declarou em setembro considerar um "absurdo" os europeus serem forçados a comprar bens em dólar. E o ministro da Economia e das Finanças da França, Bruno Le Maire, afirmou que é preciso instrumentos financeiros "completamente independentes" dos EUA.

    A agência de notícias observa que a Rússia está reduzindo seus ativos em dólar devido ao aumento dos riscos para efetuar pagamentos internacionais. Por sua vez, a China continua desafiando o domínio da moeda dos EUA nos mercados mundiais de energia com contratos firmados em yuan.

    Essa mudança no equilíbrio de poder é uma má notícia para os EUA, acredita o autor do artigo. O risco imediato para o dólar se trata do uso da política norte-americana de sanções financeiras, inclusive contra seus aliados no mundo, observa a Bloomberg.

    Os líderes da União Europeia, em resposta à invasão de sua soberania econômica, estão trabalhando abertamente para estabelecer um sistema de pagamento que permita que empresas europeias negociem com países sancionados sem correr o risco de retaliação dos EUA, ressalta a agência.

    O artigo reporta que mesmo que a Europa não resolva logo a questão de contornar as sanções norte-americanas, o próprio desejo por isso deve ser visto como um manifesto de insatisfação generalizada com o domínio do dólar, o que está crescendo acentuadamente.

    No momento, segundo a Bloomberg, uma das principais vantagens do dólar é a fraqueza das moedas concorrentes: a zona do euro está enfrentando uma série de problemas e a China ainda está cautelosa com a questão dos fluxos de capital aberto e do comércio global. 

    As relações entre os EUA e a UE se intensificaram no contexto da saída de Washington do acordo nuclear com o Irã, assim como a introdução de tarifas comerciais sobre aço e alumínio, além das ameaças relacionadas a sanções contra o Irã e empresas europeias que operam naquele país.

    Por sua vez, a Rússia está comprando ativamente ouro e vendendo títulos do governo dos EUA para desdolarizar a economia.

    A guerra comercial entre Pequim e Washington também está ganhando musculatura: a China realizou a venda massiva de títulos do Tesouro dos EUA no valor de 7,7 bilhões de dólares (R$ 32 bilhões) nos últimos seis meses.

    Mais:

    Independência do dólar: economista indica principal objetivo do petro venezuelano
    Revolução contra o dólar? Hegemonia da divisa dos EUA pode ter os dias contados
    Transações entre UE e Irã podem afetar negativamente o dólar?
    Tags:
    sanções, economia, dólar, União Europeia, Bruno Le Maire, Jean-Claude Juncker, China, Rússia, Europa, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik