23:06 25 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Economia
    URL curta
    7151
    Nos siga no

    O plano de financiamento da construção do gasoduto Nord Stream 2 (Corrente do Norte 2) deve ser alterado por causa das novas sanções norte-americanas, mas os europeus não consideram que isso seja uma catástrofe, eles vão tentar enganar os EUA.

    A empresa energética da Áustria OMV exige uma alteração do plano de financiamento da construção do gasoduto Nord Stream 2 (Corrente do Norte 2). O diretor executivo Rajner Zele estima que os participantes do projeto sejam obrigados a levantar fundos de bancos russos ou asiáticos ou a investir mais de seus próprios recursos, informa o jornal russo Vzglyad.

    O fato é que os parceiros ocidentais da Gazprom (empresa petrolífera estatal russa) obviamente não desejam ser alvo das sanções norte-americanas que proíbem financiar o projeto Corrente do Norte 2. É por isso que eles estão prontos a apoiar as restrições oficialmente.

    Entretanto, eles reconhecem que já estão procurando lacunas para cumprir todos os compromissos financeiros quanto ao projeto de gasoduto. Esta lealdade dos parceiros europeus da Gazprom não só demonstra a importância da Corrente do Norte 2 para a Europa, como também as suas vantagens comerciais consideráveis.

    A primeira tranche de financiamento de um bilhão de euros já foi entregue em 2017. Mas a transferência do capital restante pode ser problemática. É por isso que as partes do ajuste estão buscando meios para financiar o projeto evitando as sanções norte-americanas.

    As lacunas são sempre possíveis. Por exemplo, a Novatek, o maior acionista da Yamal LNG é neste momento alvo das sanções norte-americanas, mas conseguiu receber créditos de estruturas europeias com a ajuda de uma agência de exportações asiática.

    "Primeira opção: os europeus concedem fundos para um banco russo que financia diretamente o projeto Corrente do Norte. Segunda opção: todos os fundos necessários serão arrecadados com ajuda de um banco asiático. Terceira opção: uma compilação dos primeiros dois cenários, como foi no caso da Novatek", explica Igor Yushkov, analista da Fundação para segurança energética nacional.

    É, contudo, duvidoso que os chineses participem do financiamento do Corrente do Norte 2 porque eles só se interessam por projetos que envolvem a participação da China de alguma maneira.

    "Serão sobretudo os japoneses. Eles podem investir neste projeto para obter lucros e melhorar as relações com a Gazprom. Adicionalmente, eles agora estão negociando o alargamento do terceiro bloco da usina de GNL de Sacalina (ilha russa no Extremo Oriente). Tanto mais que o Japão vai querer receber o apoio russo na questão da Coreia do Norte", frisou Yushkov.

    Entretanto, é possível que a Gazprom deva fazer concessões suplementares, nomeadamente no que se toca às tarifas preferenciais de trânsito do gás para os parceiros europeus. O fato é que o novo plano de financiamento pode parecer menos vantajoso para estes últimos. Além disso, pode desempenhar um papel importante de encorajamento face às sanções norte-americanas.

    Mais:

    EUA chantageiam a China com novas sanções
    Lavrov explica a Tillerson a causa da resposta russa às sanções dos EUA
    Tags:
    compromissos, projeto, financiamento, plano, opinião, cooperação, política, economia, sanções, Corrente do Norte 2, Europa, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar