22:34 18 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    3602
    Nos siga no

    Cidade de Moscou – a capital russa – poderia ser o melhor lugar para sobreviver a um conflito nuclear, escreve Caleb Larson, colunista do jornal The National Interest.

    O artigo observa que a Rússia tem um plano de modernização de sua defesa antimíssil. Trata-se do sistema A-235 Nudol, que deverá colmatar todos os defeitos dos sistemas de defesa antimíssil da geração anterior, especialmente no combate contra mísseis hipersônicos.

    O projeto do complexo A-235 Nudol foi iniciado no final da década de 70, entretanto foi suspenso. Contudo, foi reativado nos anos 2000 e deve substituir o atual sistema de defesa antimíssil A-135 Amur.

    Larson recordou que, em 1972, a URSS e os EUA assinaram o Tratado ABM (Tratado sobre Mísseis Antibalísticos), segundo o qual o número destes mísseis de cada país seria reduzido para duas unidades. Um dos sistemas de antimísseis poderia ser usado para proteger um complexo de mísseis balísticos intercontinentais e o outro poderia ser usado para defender uma cidade, no caso da União Soviética era Moscou.

    Além disso, ambas as partes reduziram o número de lançadores de antimísseis para 100, limitando também o desenvolvimento de tecnologias nesta área.

    No início, Moscou era protegida de mísseis balísticos intercontinentais pelo sistema soviético A-35, cujos antimísseis poderiam derrubar os do inimigo fora da atmosfera, reduzindo o risco de precipitação nuclear.

    Contudo, segundo as estimativas da CIA, o sistema "não protege de ameaças de mísseis multidirecionadas dos EUA" e também não está protegido contra explosões nucleares.

    Lançamento do míssil renovado A-135 do sistema de defesa antiaérea, no polígono cazaque de Sary-Shagan
    © Sputnik / Ministério da Defesa da Rússia
    Lançamento do míssil renovado A-135 do sistema de defesa antiaérea, no polígono cazaque de Sary-Shagan

    Em 1995 a defesa antimíssil da capital russa foi modernizada. Agora a aposta não é feita mais em silos de mísseis subterrâneos, mas sim em lançadores móveis de mísseis.

    A revista avança que aparentemente existe um plano para modernização das capacidades da Rússia em matéria de mísseis antibalísticos. Nomeadamente, substituindo a carga nuclear por explosivos convencionais e a utilização de lançadores móveis. O novo sistema, provisoriamente denominado A-235, será desenvolvido para eliminar as deficiências dos sistemas anteriores, que não protegem adequadamente de mísseis hipersônicos.

    O projeto A-235 é um dos mais secretos da Rússia, apesar das poucas informações de fontes abertas, sabe-se que os testes de lançamento e de voo do míssil se iniciaram em 2014, quando foram realizados aproximadamente 10 lançamentos.

    O antimíssil será capaz de atingir alvos a uma distância de até 1.500 quilômetros. Além disso, o míssil interceptador pode chegar a uma velocidade Mach 10, ou seja, o A-235 é um sistema de mísseis hipersônicos com o objetivo principal de eliminar ogivas de mísseis balísticos intercontinentais em voo.

    Mais:

    Força Aeroespacial da Rússia testa com sucesso novo míssil do sistema de defesa antiaérea (VÍDEO)
    Revelada sequência de ações em caso de lançamento de mísseis balísticos dos EUA contra Rússia
    Pentágono mobiliza todas as forças para se proteger das armas hipersônicas da China e Rússia
    Tags:
    EUA, míssil balístico intercontinental, Rússia, escudo antimísseis, sistema de defesa antiaérea
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar