01:41 27 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    2411
    Nos siga no

    Pela primeira vez, China publicamente exibiu o seu novo drone pesado de ataque Feilong-2.

    O aparelho foi desenvolvido com base na tecnologia de "asa voadora", é equipado com dois motores a jato e tem baixa visibilidade de radar.

    As fotografias do protótipo foram publicadas na rede social chinesa Weibo. No entanto, grande parte das imagens foi borrada para esconder o equipamento do drone.

    Já os fragmentos visíveis sugerem uma semelhança do drone com um layout mostrado na Exposição de Engenharia Civil e Militar de Pequim em 2019.

    ​Drone chinês de ataque Feilong-2.

    De acordo com informações de fontes abertas, o Feilong-2 terá dois motores turbofan, que também são chamados de turborreatores de fluxo duplo, uma massa de decolagem de cerca de 22 toneladas e uma capacidade para transportar quase seis toneladas de carga de combate.

    Voando a uma velocidade de cruzeiro de 750 quilômetros por hora, o drone de ataque chinês terá capacidade de permanecer no ar até 10 horas e voar até 7.000 quilômetros.

    O conceito aerodinâmico e outros parâmetros fazem com que Feilong-2 seja parecido com o drone pesado de combate russo S-70 Okhotnik (Caçador), porém a velocidade máxima e limite máximo de altura são superiores, correspondendo a 1.000 quilômetros por hora e 18 quilômetros, respectivamente, escreve o jornal Rossiyskaya Gazeta.

    O S-70 Okhotnik será um aparelho multifuncional capaz de eliminar todos os tipos de alvos, tanto aéreos como terrestres. Além disso, o drone russo foi criado para atuar em conjunto com outras aeronaves.

    Mais:

    Exército chinês realiza treinamentos de fogo real perto de Taiwan (VÍDEO)
    Bombardeiro furtivo dará capacidade de ataque intercontinental à China, diz mídia
    EUA não têm condições de enfrentar Rússia e China por falta de bombardeiros furtivos, afirma mídia
    Tags:
    drone, veículo aéreo não tripulado, China, tecnologia militar, armas modernas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar