20:19 12 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    7885
    Nos siga no

    Apesar de os bombardeiros estratégicos Tu-160 e Tu-95 serem os principais elementos da tríade nuclear russa, o Ministério da Defesa do país planeja substituí-los pela promissora aeronave de longo alcance PAK DA.

    O colunista Nikolai Protopopov revelou à Sputnik alguns detalhes do projeto secreto russo.

    O Ministério da Defesa da Rússia espera que o novo projeto entre em serviço no final de 2027, já que o design da nova aeronave foi aprovado com suas características. Além disso, todos os contratos necessários para sua produção já foram firmados.

    Em dezembro de 2020, construtores russos concluíram a montagem do primeiro motor para um protótipo experimental da aeronave, cuja construção havia iniciado há sete meses.

    Os testes da aeronave devem ocorrer neste ano, mas ainda é muito cedo para dizer que a produção em série começa em um futuro próximo, cita o colunista russo.

    Imagem artística do avião PAK DA - bombardeiro hipersónico de reconhecência e antinavio
    Imagem artística do avião PAK DA - bombardeiro hipersónico de reconhecência e antinavio

    Muitos detalhes de seu projeto seguem sendo um mistério, sabendo-se apenas que a promissora aeronave utilizará tecnologias furtivas.

    Os motores mais potentes que foram instalados a bordo serão capazes de elevar sua autonomia para até 30 horas.

    O PAK DA contará com uma configuração conhecida como asa voadora, que, além de torná-lo menos visível aos radares, permitirá elevar suas capacidades de combate, explicou à Sputnik o piloto militar russo Vladimir Popov.

    "Não contará com fuselagem, a carga será distribuída uniformemente pela asa. Não haverá equipamento pendurado fora do avião, as entradas de ar estarão escondidas em seu interior e a ampla parte traseira da asa cobrirá os gases quentes do escapamento. Além disso, esta configuração permitirá levar mais combustível, munição e equipamentos radioeletrônicos", destacou.

    Além disso, a aeronave estará equipada com eletrônica de última geração com uma margem que permitirá aos construtores russos modernizá-la por décadas.

    Atualmente, os construtores russos usam ligas inovadoras para produzir as fuselagens, além de criarem materiais compostos menos visíveis e mais resistentes. De acordo com Protopopov, estas propriedades são importantes, principalmente quando o piloto precisa decolar com um avião pesado, bem como para realizar manobras, quando é submetido a grandes sobrecargas.

    Provavelmente, o novo bombardeiro russo será subsônico e terá uma velocidade de cruzeiro de aproximadamente mil quilômetros por hora.

    Novo bombardeiro estratégico russo PAK DA
    Novo bombardeiro estratégico russo PAK DA

    Por ser uma asa voadora, acredita-se que o PAK DA não conte com estabilizador vertical, desta forma, será difícil para a aeronave compensar os diferentes movimentos de arfagem (levantar o nariz do avião) e tangagem (baixar o nariz do avião) em torno do eixo lateral ou transversal.

    Sendo assim, os construtores russos concluíram que a asa voadora deve contar com uma superfície maior, que permitirá ao avião preservar sua manobrabilidade voando a altitudes baixas sobre a terra.

    Ao mesmo tempo, a uma altitude de 20 quilômetros, onde o ar é menos denso, esta configuração criará uma sustentação suficiente, explicou Popov.

    "O bombardeiro será capaz de voar a uma altitude extremamente baixa, seguindo o contorno do terreno para fazer emboscadas, bem como atacar eficazmente o inimigo a partir da estratosfera", concluiu Popov.

    Mais:

    Caça russo Su-27 é acionado após detectar bombardeiro B-52H dos EUA sobrevoando Polônia
    Bombardeiros russos Tu-160 e Tu-95MS simulam lançamento de mísseis de cruzeiro (VÍDEO)
    Caças dos EUA acompanham bombardeiros estratégicos russos Tu-95 no Extremo Oriente (VÍDEO)
    Tags:
    Rússia, bombardeiro estratégico, bombardeiro supersônico, caça-bombardeiro, bombardeiros, Bombardeiro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar