18:29 25 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    3946
    Nos siga no

    Nesta terça-feira (22), o Comando do Teatro Sul do Exército de Libertação Popular (ELP) alertou um navio de guerra dos EUA que estava ingressando no mar do Sul da China.

    O destróier USS John S. McCain entrou nas águas próximas às ilhas Nansha sem a autorização do governo chinês.

    Por sua vez, Pequim enviou forças aéreas e navais, que alertaram e expulsaram o intruso, afirmou o coronel Tian Junli, citado pelo jornal Global Times.

    O episódio ocorreu um dia depois de o porta-aviões chinês Shandong entrar no mar do Sul da China para conduzir exercícios militares.

    Pequim considerou a ação norte-americana uma violação da soberania e segurança chinesas, colocando a paz da região em risco.

    Destróier norte-americano USS John S. McCain visto nas águas de Singapura (foto de arquivo)
    © REUTERS / Ahmad Masood
    Destróier norte-americano USS John S. McCain visto nas águas de Singapura (foto de arquivo)

    Em 1972, os EUA concordaram em aderir à política de Uma Só China, mas recentemente têm se aproximado diretamente das autoridades de Taiwan, chegando ao ponto de ser discutida a venda de equipamento militar à ilha, para grande descontentamento de Pequim.

    Os EUA continuam com estas atividades sob pretexto de manter operações de liberdade de navegação, mas Pequim tem as denunciado como "provocações" e avisa que estas poderão posteriormente resultar em confronto armado entre os dois Estados caso Washington não mude sua atitude.

    Mais:

    EUA sancionam 24 empresas chinesas acusadas de ajudarem Pequim a militarizar mar do Sul da China
    Pequim constrói instalação para abrigar porta-aviões no mar do Sul da China, diz especialista (FOTO)
    Pequim dispara mísseis no mar do Sul da China em 'aviso' aos EUA, diz jornal
    Tags:
    Marinha, Marinha, Marinha dos EUA, Marinha chinesa, Mar do Sul da China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar