18:37 25 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    7503
    Nos siga no

    O analista militar russo Aleksei Leonkov considera que a tecnologia de baixa visibilidade (stealth, em inglês), utilizada nos aviões B-2 Spirit, F-22 Raptor e F-35 Lightning II, possui sérias falhas.

    No artigo publicado na revista Zvezda, o especialista ressaltou que a tecnologia furtiva americana, que torna os caças "invisíveis" aos radares, é baseada na dispersão de sua radiação na direção oposta à antena do radar, mas que a eficiência do sistema depende da frequência usada pelos sistemas de defesa aérea do adversário.

    "Geralmente [estes aviões] são projetados principalmente para frequências de banda X [ondas centimétricas]", apontou o analista. Mas se os radares do adversário utilizarem a banda L [ondas decimétricas] ou Ka [ondas milimétricas], então o avião norte-americano ficará sob ameaça.

    "E aqueles que funcionam com todas as bandas, como são precisamente os radares de varredura eletrônica ativa (AESA), tornam a tecnologia furtiva inútil", concluiu o autor do artigo.

    Além disso, o especialista citou os indicadores de distância a que o caça russo de geração 4++ Su-35 equipado com o radar Irbis pode detectar o caça americano de quinta geração F-22 Raptor.

    Acontece que o F-22 é detectável à distância de 266 quilômetros, por isso ele não pode lançar os mísseis AIM-120D sem ser notado a uma distância de 180 quilômetros.

    Recentemente, o The National Interest avaliou as características do caça russo Su-35, sublinhando seu desempenho impressionante, alto custo-benefício e versatilidade de funções.

    Mais:

    Forças russas no Extremo Oriente recebem sistema de radar capaz detectar caças furtivos F-35 e F-22
    EUA acionam caças F-22 para escoltar bombardeiros russos Tu-95 na região fronteiriça no Ártico
    Recado para Rússia e China? EUA enviarão 150 caças F-35 e F-22 para o Ártico, diz senador
    Tags:
    radar, EUA, Rússia, F-22 Raptor, Su-35
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar