17:55 28 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    3421
    Nos siga no

    O Ministério da Defesa da Rússia informou sobre a entrega de todos os 50 caças Su-35S de acordo com um contrato firmado em 2015, que previa que as aeronaves fossem entregues até o final de 2020.

    "Os especialistas da 485ª representação militar do Ministério da Defesa da Rússia receberam três caças multifuncionais Su-35S de geração 4++. Os aviões estão sendo transferidos da fábrica em Komsomolsk-no-Amur para os aeródromos de baseamento permanente da Força Aeroespacial da Rússia", comunicou.

    Vale ressaltar, que "esta entrega conclui um contrato de cinco anos, que previa a entrega de 50 aeronaves Su-35S [...] até o final de 2020".

    Dois caças serão enviados ao centro de treinamento de pessoal de aviação e testes militares do Ministério da Defesa em Lipetsk, enquanto o terceiro caça permanecerá em Komsomolsk-no-Amur no 23º Regimento de Aviação de Caça de Tallinn.

    Treinamento de combate aéreo multimodo por tripulações de novos caças Su-35S do Distrito Militar Ocidental
    Treinamento de combate aéreo multimodo por tripulações de novos caças Su-35S do Distrito Militar Ocidental

    O primeiro contrato incluía 48 caças Su-35, que foram entregues no final de 2015. Na ocasião, um segundo contrato foi assinado prevendo outras 50 aeronaves.

    O novo caça da Rússia é considerado de geração 4++, tendo um alcance de voo de 4.500 km e contando com um radar N035 Irbis, o caça multifuncional pode combater quatro alvos terrestres e 30 aéreos ao mesmo tempo.

    Além disso, a aeronave tem velocidade máxima de 2.778 km/h.

    Mais:

    Míssil russo R-37M e caça Su-57 'conversível' são flagrados em ação (VÍDEO)
    Pode enfrentar qualquer adversário: mídia norte-americana avalia mísseis do caça russo Su-57
    VÍDEO mostra caça russo MiG-31 em combate aéreo na estratosfera
    Tags:
    avião de ataque, avião de combate, avião de assalto, avião militar, Rússia, Ministério da Defesa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar