02:04 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    13283
    Nos siga no

    Arsenal nuclear norte-coreano seria formado por até 60 ogivas nucleares segundo estimativa de instituto afiliado à Universidade de Defesa Nacional dos EUA.

    De acordo com a Avaliação Estratégica de 2020 do Instituto de Estudos Estratégicos Nacionais, o país asiático tem um arsenal nuclear que varia entre 15 e 60 ogivas, o que poderia comprometer a estabilidade na Ásia.

    Além disso, o reporte também estima que Pyongyang tenha cerca de 650 mísseis balísticos capazes de atingir diferentes cidades na Coreia do Sul, Japão e China, publicou a agência Yonhap com base no reporte da instituição.

    "Através do desenvolvimento de armas de destruição em massa, uso de armas nucleares e postura agressiva de suas forças convencionais, a Coreia do Norte ameaça a estabilidade regional e as normais globais [...] [A Coreia do Norte] também testou mísseis balísticos intercontinentais que poderiam ser capazes de atingir os EUA", diz o reporte.

    Arrecadação de fundos

    O país asiático tem sido alvo de sanções internacionais, o que torna a Coreia do Norte um dos países mais isolados do mundo.

    Contudo, para contornar tais sanções, Pyongyang estaria envolvida em atividades criminosas para arrecadar fundos para seu programa militar, segundo a avaliação.

    "A falsificação de moeda e o tráfico de narcóticos tem ajudado o regime a gerar fundos e a compensar os efeitos das sanções."

    O estudo também acredita que até US$ 250 milhões (cerca de R$ 1,3 bilhão) já teriam sido falsificados e postos em circulação.

    Mais:

    Militares sul-coreanos detêm suposto desertor da Coreia do Norte, diz mídia
    Tratado para Proibição das Armas Nucleares não é causa, mas sintoma de discórdias, diz especialista
    Novo centro de controle nuclear será criado na Rússia
    Tags:
    bomba atômica, EUA, míssil balístico, arma nuclear, península coreana, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar