09:46 10 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    9722
    Nos siga no

    Os Estados Unidos estão investigando relatos de que a Venezuela pode estar violando sanções contra a Coreia do Norte, disse Elliott Abrams, representante especial dos EUA para a Venezuela, durante uma teleconferência com repórteres nesta terça-feira (28).

    No início do dia, a agência Reuters publicou que a Organização das Nações Unidas (ONU) apontou que a Venezuela poderia estar violando sanções impostas à Coreia do Norte caso conclua um possível acordo militar e tecnológico com Pyongyang.

    "Sobre a Coreia do Norte, eu não tinha conhecimento das sanções da ONU e dessa correspondência entre as Nações Unidas e o regime de [Nicolás] Maduro até a divulgação pela imprensa, então, examinaremos essa correspondência, a falta de resposta do regime de Maduro e quais são as implicações disso", disse Abrams.

    Em janeiro de 2019, a Venezuela aprofundou sua crise política quando o então líder da Assembleia Nacional controlada pela oposição, Juan Guaidó, se proclamou presidente interino do país como parte do esforço para expulsar o reeleito presidente Nicolás Maduro do poder.

    Elliott Abrams, enviado do governo dos Estados Unidos para a Venezuela
    © AP Photo / Manuel Balce Ceneta
    Elliott Abrams, enviado do governo dos Estados Unidos para a Venezuela

    Os EUA e a maioria dos países ocidentais endossaram Guaidó e impuseram sanções à Venezuela, congelando seus ativos no exterior. Rússia, China, Turquia e várias outras nações apoiaram Maduro como o presidente legítimo venezuelano. Maduro acusa o Ocidente de usar sanções para derrubá-lo e tomar posse dos bens e recursos da Venezuela.

    Mais:

    Venezuela fecha acordos de cooperação com Coreia do Norte
    Venezuela retruca pedido de 'eleições presidenciais livres' de países bálticos: 'Cuidem da sua vida'
    Caracas: Montevidéu repete 'roteiro de agressão contra Venezuela' dos EUA
    Tags:
    Coreia do Norte, EUA, Estados Unidos, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar