08:39 30 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    249
    Nos siga no

    O Exército norte-americano está centrado cada vez mais em "atores estatais sofisticados", pelo que o Pentágono estuda como deve modernizar os seus sistemas de guerra eletrônica.

    Para levar modernização adiante, não é só o investimento financeiro que conta. James Faist, diretor de pesquisa e engenharia de defesa para capacidades avançadas do Pentágono, estima que o domínio "eletromagnético" no campo de batalha deverá ser "arquitetônico", disse ao portal de notícias C4ISRnet.

    Esta arquitetura de dados deverá ser "robusta e útil", permitindo que comando, controle e comunicações sejam realizados completamente em rede (FNC3), bem como o desenvolvimento de técnicas de guerra eletrônica avançadas.

    Segundo Faist, a implementação da arquitetura em análise permitirá a modernização e conexão dos sistemas em uma rede de modo eficaz, que determinará quem domina o espectro eletromagnético no mundo.

    Se der resultados, Washington não só conseguiria se proteger, detectar sinais e neutralizar comunicações inimigas, mas também desenhar sistemas de maneiras inovadoras para tomada de decisões durante conflitos.

    Em todo o caso, os EUA deverão delinear equipes, programas e algoritmos a serem utilizados para decidir em que operações militares os sistemas devem ser utilizados. Os últimos devem também ser capazes de reconhecer humanos, para que tomem decisões "da maneira mais logica possível", afirmou William Conley, ex-diretor de guerra eletrônica do Pentágono.

    Mais:

    Após serem submetidas a testes de segurança, urnas eletrônicas apresentam 'falhas superficiais'
    EUA: importante rede de hospitais sofre 'um dos maiores ataques cibernéticos' da história do setor
    CEO de empresa de Defesa dos EUA é acusado de fraude milionária em auxílio contra a COVID-19
    Tags:
    China, Rússia, guerra cibernética, Segurança, EUA, Pentágono
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar