15:11 04 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    6480
    Nos siga no

    A Rússia herdou o grande poderio de mísseis balísticos da URSS e, décadas após o fim da Guerra Fria, continua a modernizá-lo.

    Embora sejam mais vulneráveis do que os mísseis lançados a partir de silos, os sistemas móveis de mísseis balísticos da Rússia se destacam no mundo por suas vantagens.

    Escrevendo sobre o tema, a revista National Interest destacou as capacidades de tais armamentos, que fariam grande diferença em uma situação de guerra.

    Segundo o relatório "Ameaça de Mísseis" do Centro de Estudos Internacionais e Estratégicos (CSIS, na sigla em inglês), a Rússia é detentora da maior variedade de mísseis balísticos e de cruzeiro no mundo.

    "A Rússia se mantém como a maior potência no desenvolvimento de todos os tipos de mísseis. As forças estratégicas de mísseis da Rússia representam um elemento significativo da estratégia militar de Moscou", publicou o relatório.

    A revista também ressaltou que, além dos mísseis presentes na parte principal do país, o enclave russo de Kaliningrado possui diversos destes sistemas.

    Isso poderia se tornar uma ameaça à Polônia, Suécia, Alemanha e outros países, em caso de guerra.

    ORT-21 Tochka

    Desenvolvido na década de 1970, o sistema de mísseis balísticos Tochka possui diversas versões.

    O armamento, cuja designação pela OTAN é SS-21 Scarab, pode lançar projéteis com ogivas antitanque, antipessoal, ou anti-radar. Uma das versões permite lançar projéteis com ogivas nucleares, com uma potência entre 10 e 100 quilotons.

    Lançamento de míssil a partir do sistema de mísseis balísticos Tochka (foto de arquivo)
    © Sputnik / Igor Zarembo
    Lançamento de míssil a partir do sistema de mísseis balísticos Tochka (foto de arquivo)

    Seu veículo transportador é anfíbio e possui proteção contra ataques nucleares e biológicos.

    Para acionar o sistema são necessários apenas 16 minutos e mais 20 minutos para seu recarregamento.

    Iskander

    Atualmente, os Tochka estão sendo substituídos pelos sistemas Iskander.

    Com ogivas mais poderosas e raio de ação aumentando, o sistema é poiado por radar e satélite.

    Sua precisão é bastante alta, tendo uma margem de erro entre cinco e 10 metros.

    O veículo transportador também é anfíbio e munido com proteção antinuclear e biológica.

    Mísseis Oniks

    A União Soviética iniciou o desenvolvimento dos mísseis Oniks (SS-N-26 na classificação da OTAN) ainda nos anos da Guerra Fria.

    As variantes vão desde mísseis ar-mar aos lançados a partir de terra.

    Sua variante de exportação, chamada Yakhont, foi adquirida pela Indonésia, Vietnã e Síria.

    Em parceria com a Índia, a Rússia desenvolveu também a versão BrahMos.

    Mais:

    Força Aérea dos EUA planeja munir bombardeiro B-1B com mísseis hipersônicos
    Couraça blindada: sistemas de mísseis Pantsir repelem ataque aéreo de inimigo convencional (VÍDEO)
    Marinha Real britânica lança novíssimo submarino nuclear com torpedos e mísseis (FOTO)
    Tags:
    Kaliningrado, OTAN, míssil de cruzeiro, míssil balístico, Rússia, Iskander, oniks
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar