06:14 23 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    0322
    Nos siga no

    Algumas empresas de armas europeias e asiáticas tentaram copiar fuzis russos de alta precisão da empresa ORSIS e organizar produção ilegal, mas todas as tentativas falharam, segundo o diretor-geral da ORSIS.

    O diretor-geral da fabricante de armas russa ORSIS, Vladimir Zlobin, afirmou em entrevista à Sputnik que algumas empresas da Europa e da Ásia tentaram copiar os fuzis russos.

    "Todos os fuzis da ORSIS são desenvolvidos originalmente pelos nossos engenheiros. Em dez anos, nós enfrentamos casos quando alguns países, inclusive europeus e asiáticos, tentaram copiar nossos artigos, mas cada vez enfrentaram barreiras tecnológicas inultrapassáveis", declarou o diretor-geral da fabricante de armas ORSIS.

    Zlobin adicionou que alguns ex-funcionários da ORSIS também tentaram criar suas próprias empresas, mas sem sucesso.

    Além disso, Vladimir Zlobin afirmou que foi criada e passou com sucesso por testes a modificação do fuzil Т-5000 de longo alcance e alta precisão, ORSIS-375CT, com capacidade de atingir alvos a até dois quilômetros.

    "Foi criada uma versão do T-5000 com calibre 375 Cheytac (9,5х77 mm), já tendo passado com sucesso por testes. Se o alcance do de calibre 338 é 1.500 metros, então agora nós superamos dois quilômetros", detalhou.

    Segundo o diretor-geral da ORSIS, a produção em série da nova modificação do T-5000 será iniciada em 2020. Vários países já encomendaram o novo fuzil, agregou.

    O fuzil ORSIS T-5000 é um desenvolvimento da empresa russa PROMTECHNOLOGIA. Os fuzis de longo alcance T-5000 são destinados a unidades especiais e antiterroristas.

    Mais:

    Para fuzis, rifles e muito mais: Exército dos EUA está de olho em munição de produção russa
    Kalashnikov inaugurará fábrica de fuzis na Venezuela entre 2020 e 2021
    'Precisão absoluta': assim é o fuzil russo T-5000
    Tags:
    fuzis, T-5000, Rússia, Orsis
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar