14:51 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Submarino nuclear russo Yasen

    Especialista americano diz qual seria o 1° alvo da Rússia na Europa em caso de guerra

    © Foto/ Escritório de Engenharia Naval Malakhit
    Defesa
    URL curta
    306912
    Nos siga no

    Em caso de uma guerra total, o submarino russo Yasen deverá atacar o porto de Bremerhaven na Alemanha, segundo o especialista americano Andrew Metrick.

    De acordo com um ex-funcionário do Centro de Estratégia e Pesquisas Internacionais dos Estados Unidos em Washington, Andrew Metrick, o porto alemão de Bremerhaven seria fundamental para o desembarque de tropas dos EUA na Europa.

    O acesso ao porto é feito por meio de duas eclusas e duas pontes ferroviárias.

    Bremerhaven é o nó mais importante para mover equipamentos pesados pelo continente europeu.

    No entanto, ao destruir as suas pontes, o porto se tornaria inútil para as forças americanas.

    "O porto de Bremerhaven pode ser facilmente incapacitado já que o acesso é feito por duas comportas. Ao mesmo tempo, a linha férrea até ao porto passa por duas pontes. Se elas forem destruídas o porto se tornaria inoperante", disse Metrick em artigo publicado pelo Instituto Naval dos EUA.

    O especialista acrescenta que os portos de Rotterdam e Antuérpia seriam mais resistentes aos ataques russos devido à sua maior dimensão, mas têm fraquezas similares a Bremerhaven.

    O especialista também ressaltou o maior poder dos mísseis russos, o que seria importante em um cenário de guerra na Europa.

    "A Marinha da Rússia está no meio de uma mudança da projeção de seu poder e capacidades de ataque a grande distância, como demonstrado pelas operações de suporte a ataque na Síria", afirmou Metrick.

    Mais:

    Frota do Pacífico da Marinha russa será equipada com mísseis de cruzeiro Kalibr
    Análise: EUA temem submarinos russos de 5ª geração
    Marinha da Rússia escolta destróier dos EUA que entrou no mar Negro
    Tags:
    855 Yasen, submarino, Europa, porto, alvos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar