03:20 07 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Sistema de mísseis S-400

    Turquia desmente relatos de ultimato dos EUA sobre sistemas russos S-400

    © Sputnik / Vitaly Ankov
    Defesa
    URL curta
    160
    Nos siga no

    Os EUA não apresentaram oficialmente à Turquia qualquer ultimato exigindo que Ancara não compre os sistemas de defesa antiaérea S-400 russos, disse o vice-ministro das Relações Exteriores da Turquia, Yavuz Selim Kiran.

    Na terça-feira (21) o canal de televisão CNBC informou que os EUA teriam dado um prazo de um pouco mais de duas semanas à Turquia para que esta desista do contrato de compra dos sistemas de defesa antiaérea russos S-400, ou Ancara irá enfrentar consequências, mas as autoridades turcas desmentem esta informação.

    "A nível oficial, tal (ultimato) não existe”, disse Kiran durante sua visita aos EUA. As suas palavras são citadas pelo canal de televisão Haderturk.

    No entanto, a porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Morgan Ortagus, indicou recentemente que Ancara poderá enfrentar consequências "muito negativas" se adquirir os S-400 russos. Segundo Ortagus, a aquisição de sistemas S-400 terá um sério impacto nas relações militares dos EUA e da OTAN com a Turquia.

    Os EUA afirmam que os sistemas S-400 são incompatíveis com os padrões da OTAN, ameaçam com sanções por sua possível aquisição e têm dito repetidamente que podem atrasar ou cancelar a venda dos mais novos caças F-35 à Turquia.

    Ao mesmo tempo, a Turquia declara que os sistemas S-400 não representam ameaça para os caças F-35, diz que não vai desistir de planos de comprar os S-400 e que o primeiro lote destes sistemas deve chegar à Turquia já em julho deste ano.

    Mais:

    Por que Estados Unidos querem tanto impedir acordo russo-turco de S-400?
    Mídia: EUA sugerem à Índia que abandone acordo de S-400 e opte por sistemas THAAD
    Alemanha quer fim de acordo da Turquia com a Rússia sobre compra dos S-400
    Tags:
    ultimato, Rússia, EUA, Turquia, S-400
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar