11:01 23 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Sistema de mísseis antiaéreos S-400 Triumph em funcionamento

    Mídia: Turquia tem prazo até junho para desistir do acordo de compra dos sistemas S-400

    © Sputnik / Mikhail Voskresensky
    Defesa
    URL curta
    6010

    Os Estados Unidos dão um prazo de um pouco mais de duas semanas à Turquia para que esta desista do acordo de compra dos sistemas de defesa antiaérea russos S-400, ou irá enfrentar consequências, incluindo sanções, informa mídia.

    Se a Turquia não desistir de seu acordo com a Rússia e não comprar o sistema de defesa antimísseis Patriot fabricado nos EUA até o final da primeira semana de junho, enfrentará consequências negativas, informou a CNBC na terça-feira (21), citando diversas fontes familiarizadas com a situação.

    As consequências incluem a exclusão da Turquia do programa de fornecimento de caças F-35, no âmbito do qual a Turquia receberia 100 caças furtivos deste modelo, e a aplicação de sanções contra o país. Tudo isso poderia prejudicar a posição do país na OTAN.

    Os Estados Unidos afirmaram anteriormente que os sistemas de defesa antiaérea S-400 são incompatíveis com os padrões da OTAN e que a compra destas armas fabricadas na Rússia prejudicaria a segurança da Aliança.

    Para além disso, os EUA alertaram a Turquia várias vezes de que o país iria sofrer consequências, ameaçando que poderiam suspender a venda de caças F-35. A Turquia é um dos sete países que participam no programa de fornecimento dos F-35.

    Anteriormente Ancara declarou que não desistirá dos seus planos de aquisição de sistemas russos S-400.

    A primeira entrega destes sistemas de defesa antiaérea está prevista para julho deste ano.

    Mais:

    Parlamentares dos EUA revelam que Turquia terá de optar entre S-400 ou F-35
    Erdogan diz que Rússia e Turquia discutem produção conjunta de S-500
    Plano técnico-militar de Ancara e Moscou: produção conjunta de S-500 é viável?
    Tags:
    Rússia, EUA, sanções, Turquia, F-35, S-400
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar