07:43 17 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Bombardeiro B-52 sendo usado durante ataques aéreos contra a Iugoslávia (imagem referencial)

    EUA desenvolvem mísseis que poderiam 'fritar' eletrônica militar da Coreia do Norte e Irã

    © AFP 2019 / Força Aérea dos EUA
    Defesa
    URL curta
    14522

    A Força Aérea dos EUA implantou ao menos 20 mísseis que podem neutralizar completamente os sistemas eletrônicos militares da Coreia do Norte ou Irã por meio de micro-ondas de alta potência, tornando suas capacidades militares virtualmente inúteis sem causar baixas humanas, escreve o Daily Mail.

    Os mísseis, conhecidos como Projeto de Mísseis Avançados de Micro-ondas de Alta Potência Contra-Eletrônica (CHAMP), foram construídos pela Phantom Works da Boeing para o Laboratório de Pesquisa da Força Aérea dos EUA e testados com sucesso em 2012.

    As armas de micro-ondas são instaladas em mísseis de cruzeiro e transportadas por bombardeiros B-52, podendo atingir um alcance superior a 1.120 km.

    Elas emitem impulsos de energia de micro-ondas de alta potência (HPM) que "fritam" os chips dos computadores, desativando qualquer dispositivo eletrônico visado pelos mísseis, sem causar nenhum dano colateral.

    ​Diversão de Trump começou; A Força Aérea dos EUA implantou 20 mísseis CHAMP que podem destruir os sistemas eletrônicos militares da Coreia do Norte/Irã, tornando as capacidades militares virtualmente inúteis sem danos colaterais; Projeto de Mísseis Avançados de Micro-ondas de Alta Potência Contra-Eletrônica (CHAMP)

    Equipado com um canhão de pulso eletromagnético, o míssil usa um "forno" de micro-ondas superpoderoso para gerar um feixe concentrado de energia, que pode causar picos de tensão nos equipamentos eletrônicos, tornando-os inúteis antes de a sua proteção conseguir reagir.

    Segundo o Daily Mail, o projeto tem avançado secretamente desde que a Força Aérea testou com êxito um míssil equipado com HPM em 2012. Durante o teste do CHAMP, o feixe de micro-ondas do míssil conseguiu neutralizar todo o tipo de sistemas eletrônicos do local que estava sobrevoando, incluindo câmeras de vídeo configuradas para filmar o experimento, sem danificá-las. O armamento também é capaz de tornar inoperacional qualquer radar que possa detectá-lo.

    "Atingimos todos os alvos que queríamos […] Hoje, transformamos a ficção científica em fato científico", disse Keith Colman, gerente do programa CHAMP da Boeing, em comunicado à imprensa.

    O feixe de micro-ondas do HPM é tão poderoso que pode até mesmo penetrar em bunkers subterrâneos e centros de comando onde as instalações estão escondidas, sem prejudicar os humanos no interior, além de poder desativar rapidamente caças, tanques, navios e sistemas de mísseis.

    Os laboratórios americanos têm trabalhado nas capacidades do HPM há décadas, além de desenvolverem armas robóticas do tamanho de insetos, que poderiam "eliminar o líder norte-coreano sem arriscar vidas americanas", escreve a edição.

    Ao contrário de um ataque cibernético, cujos mísseis são projetados para confundir os computadores, o CHAMP "'frita' permanentemente os equipamentos eletrônicos".

    Os mísseis CHAMP que emitem HPM também diferem de um ataque de pulso eletromagnético (EMP), criado pela detonação de uma arma nuclear na atmosfera, pois deixa intactas as instalações civis necessárias para sustentar a vida.

    Mais:

    Caças F-35 ganharão mísseis supersônicos 'destruidores' de defesa antiaérea inimiga
    Barco de mísseis ucraniano e navio 'espião' britânico treinam no mar Negro (FOTOS)
    Mídia: bombardeiro chinês com mísseis balísticos poderia completar tríade nuclear
    Tags:
    equipamento militar, Força Aérea dos EUA, mísseis
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar