00:35 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Drone Sea Hunter

    'Frota fantasma' de drones americanos: blefe ou arma perfeita contra submarinos russos?

    CC BY 2.0 / Escritório de Pesquisa Naval da Marinha dos EUA
    Defesa
    URL curta
    6416
    Nos siga no

    Os EUA estão desenvolvendo drones marítimos Sea Hunter que seriam capazes de realizar buscas de submarinos, navegar de forma autônoma por dois meses e transportar armas. A Sputnik revela as possíveis caraterísticas dessa “frota fantasma” de navios drones.

    O programa de criação de navios não tripulados para vigilância de submarinos diesel-elétricos (ACTUV, sigla em inglês) dos EUA foi lançado em 2010. A construção do primeiro navio drone levou quatro anos.

    A embarcação, com deslocamento de 145 toneladas e capacidade de atingir velocidades de até 30 nós, representa um trimarã com dois motores a diesel. Embora o primeiro modelo do drone não tenha sido equipado com armas, o Pentágono não exclui essa possibilidade. Por exemplo, eles podem ser equipados com artilharia, armas ligeiras, de laser e mísseis, bem como com sistemas de guerra eletrônica.

    A missão principal dos Sea Hunter é a busca e acompanhamento de submarinos diesel-elétricos. Um sistema hidroacústico potente e numerosos radares e sensores permitem determinar a posição do navio e guiá-lo em seu percurso. Além disso, o drone é capaz de corrigir o percurso de acordo com as circunstâncias. Prevê-se que os novos drones também sejam úteis para proteger grupos de ataque de porta-aviões.

    A Marinha dos EUA pediu 400 milhões de dólares para 2020 para construir mais dois navios drones. No total, em contexto de um rápido desenvolvimento das forças submarinas da Rússia e da China, o Pentágono planeja gastar 2,7 bilhões de dólares com a construção de dez desses navios nos próximos cinco anos.

    Segundo o presidente do Clube de Submarinistas de São Petersburgo, comandante Igor Kurdin, os EUA sempre prestaram muita atenção ao sistema de detecção e vigilância de submarinos do seu provável inimigo.

    "Tendo grandes recursos financeiros, os EUA criaram o sistema de vigilância hidroacústica estacionária SOSUS. Trata-se de um sistema de sensores e cabos no fundo do oceano mundial que servia de barreira e que detectava a localização dos submarinos ao ser atravessado", explicou o especialista à Sputnik, sublinhando que às vezes esses sistemas ajudaram os americanos a detectar submarinos nucleares soviéticos.

    Kurdin sublinhou que nos anos 1990 a Rússia praticamente deixou de realizar patrulhamento militar.

    "Os americanos relaxaram […] e decidiram que a frota russa entrou em decadência e já não merece atenção e, respetivamente, deixaram de desenvolver a defesa antissubmarino. Mas agora que a frota submarina russa está em alta, quando foram desenvolvidos novos navios com novas capacidades – em primeiro lugar no que se refere à invisibilidade – se revelou que o sistema antigo se tornou ineficaz. Os americanos são obrigados a aperfeiçoá-lo com urgência", revelou ele.

    Hoje em dia a Marinha russa dispõe de um dos submarinos diesel-elétricos mais silenciosos do mundo. Trata-se dos submarinos do projeto 636.3 Paltus (ou Varshavyanka) equipados com torpedos de 533 milímetros e novíssimos misseis de cruzeiro Kalibr-PL. Foram os Paltus que se tornaram os primeiros submarinos da Rússia moderna a realizar lançamentos de mísseis de cruzeiro contra alvos reais, durante a operação na Síria.

    Seis submarinos desse tipo já estão no serviço da Frota do Mar Negro, enquanto a Frota do Pacífico receberá outros seis desses submarinos. Ao mesmo tempo, as versões anteriores do submarino (projeto 877) também estão sendo modernizadas.

    A Rússia vende submarinos do projeto 636 a outros países, incluindo a China, Índia, Vietnã, Irã e Argélia. Possivelmente, o novo drone está sendo criado para combater esse tipo de submarinos. Kurdin sublinhou que os EUA ainda não têm um sistema eficaz para combater os submarinos russos convencionais.

    O professor da Academia de Ciências Militares, Sergei Sudakov, por sua vez, está convencido que o projeto Sea Hunter não passa de mais uma tentativa do lobby do armamento dos EUA de receber fundos orçamentários.

    "Na verdade, isso parece ser blefe dos representantes da indústria de defesa dos EUA para receber dinheiro para novos programas. O presidente [Donald] Trump tem uma queda por quaisquer inovações e por isso às vezes essas ideias conseguem ser aprovadas", explicou ele.

    Sudakov opina os Sea Hunter não são tão sofisticados como declaram os desenvolvedores. Para realizar o programa, os americanos planejaram criar uma rede composta de sondas, sniffers e sistemas de vigilância por satélites. Entretanto, realizar essa concepção exigiria trilhões de dólares. Por enquanto os militares americanos declaram que têm apenas alguns elementos desse programa que permitiriam controlar apenas uma pequena área ao longo da linha costeira dos EUA.

    Mais:

    Guarda Revolucionária do Irã aumentará capacidade ofensiva após 'passo ridículo' dos EUA
    Decisão dos EUA sobre as Colinas de Golã viola resoluções da ONU, diz Putin
    Vice dos EUA quer que Mourão convença Rússia e China a deixarem de apoiar Maduro
    Tags:
    radares, navios, submarino, União Soviética, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar