11:23 17 Janeiro 2019
Ouvir Rádio
    Marinheiro chinês (foto de arquivo)

    Navios da China chegam ao Camboja para 'reforçar laços e cooperação militar'

    © AFP 2018 / Bill Wechter
    Defesa
    URL curta
    290

    Nesta quarta-feira (9), três navios militares chineses chegaram ao porto de Sihanoukville, localizado no Camboja ocidental, para uma visita de quatro dias, afirmou o porta-voz do Ministério da Defesa cambojano à AFP.

    "O objetivo da visita é reforçar os laços e a cooperação militar, especialmente entre as Marinhas dos dois países", indicou o porta-voz à AFP.

    ​Os navios, pertencentes ao Comando do Norte da Marinha do Exército Popular de Liberação, são o Wuhu e o Handan, fragatas de mísseis da classe Type 054A de 4.050 toneladas de deslocamento, bem como o Dongpinghu, uma embarcação de reabastecimento de 20.500 toneladas.

    Prevê-se que durante a visita uma delegação da Marinha chinesa realize encontros com os comandantes cambojanos, inclusive com o ministro da Defesa, Tea Banh, antes de os navios partirem no dia 12 de janeiro.

    Manobras militares não estão incluídas no programa da visita, mas os navios vão participar das celebrações de inauguração do novo posto naval cambojano na ilha de Koh Rong.

    A China tem investido bilhões de dólares na economia de Camboja, inclusive no porto estratégico de Sihanoukville, situado cerca de 185 km a sudoeste da capital do país, Phnom Penh.

    No mês passado, o premiê cambojano, Hun Sem, desmentiu os rumores de que a China pretenderia construir uma base naval em Koh Kong, no golfo da Tailândia, frisando que a constituição do país não permite a instalação de bases militares estrangeiras no país.

    Mais:

    Navio da Marinha dos EUA no mar Negro é uma demonstração de força, afirma especialista
    Marinha dos EUA fará exercícios conjuntos com a Romênia no mar Negro
    Marinha iraniana anuncia manobras conjuntas com Rússia no mar Cáspio
    Tags:
    Marinha, cooperação, navios, Camboja, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik